O saber espiralado e a história de Mestre Alcides de Lima Tserewaptu

Este registro audiovisual foi realizado por ocasião da Apresentação de Dissertação de Mestrado de Roberta Navas Battistella, intitulada “O saber espiralado: a história de Mestre Alcides de Lima Tserewaptu e a proposta por uma produção partilhada do conhecimento”, sob a orientação do Prof. Dr. Sérgio Bairon Blanco Sant’Anna, ocorrida em 05/12/2017. O objetivo central do trabalho concentra-se no encontro entre as temáticas da história de vida e da produção partilhada do conhecimento, no sentido de compreender o saber que detém Mestre Alcides de Lima Tserewaptu e suas implicações com a expansão da cultura afro-brasileira de tradição oral. Relata a história de vida de Alcides de Lima, desde a sua condição de migrante de Minas Gerais em sua chegada ao município de São Paulo; até suas atividades atuais como membro da Comissão Nacional dos Mestres Griôs, reúne um rico conjunto de atividades e lutas voltadas ao reconhecimento da cultura oral como um saber que precisa ser legitimado pelo Estado brasileiro.

Ao longo desta trajetória, há uma construção de redes de saberes que abrigam a preservação da memória, o envolvimento com comunidades culturais afrodescendentes (Coroação de Reis Congo, o Jongo etc.), o ensino de capoeira e dos saberes orais no contexto escolar. A tradição vivida e constituída por Mestre Alcides no cotidiano transpõe os níveis institucionais do universo da educação e do ensino.

 

Fonte: http://www.snh2015.anpuh.org/resources/anais/39/1434414879_ARQUIVO_ARTIGO_Roberta_Navas_15_06_2015_FINAL.pdf

Anúncios

Novo logotipo do CEACA

Novo visual: logotipo do Ceaca, com maior definição.

Mestre Durval do Coco e a Pedagogia Griô: memória

Em 2013, o Curso Pedagogia Griô e Produção Partilhada do Conhecimento (USP) recebeu o Mestre Durval do CEACA. Após uma bela preparação e reverências aos Mestres da Cultura Oral, realizada por Rodrigo Pança, Márcio Caires e Lillian Pacheco, os participantes compreenderam que a cultura oral somente pode ser apreendida por meio de vivências orientadas pelos próprios Mestres Griôs. Fica aqui também nosso reconhecimento em relação à intermediação que a Pedagogia Griô realiza, como uma forma de vida que integra a tradição oral, a formação cidadã e a educação! A Pedagogia Griô foi desenvolvida pelo grupo “Grãos de Luz e Griô” (Lillian Pacheco e Marcio Caires), com a participação de Everaldo Cândido e Neander Heringer (Nina Griô), Henri Durand (Acervo das Tradições) e Mestre Alcides Lima (CEACA) e de todos os presentes!

Assista o Audiovisual publicado em 3 de abril de 2013 pelo CEDIPP – DIVERSITAS FFLCH – ECA / USP

 

 

A Universidade e a Pedagogia Griô

A reportagem foi publicada na TV USP em 17 de junho de 2015. Discute a relação entre o meio universitário e as culturas tradicionais e descobre que ela pode se dar para além da dualidade pesquisadores-pesquisados. A partir da Pedagogia Griô e sua concepção de diálogo entre a tradição escrita e a tradição oral, verificamos como a USP e as culturas tradicionais se relacionam.

A reportagem se inspirou na edição número 3 da Revista Diversitas, publicada pelo Núcleo de Estudos das Diversidades, Intolerâncias e Conflitos, da USP, que teve como tema a Pedagogia Griô. Foram entrevistados:

– Líllian Pacheco, criadora da Pedagogia Griô;
– Zilda Iokoi, historiadora e coordenadora do Núcleo Diversitas;
– Mestre Alcides de Lima (Tserewaptu), mestre de capoeira e da tradição oral, funcionário aposentado da USP;
– Roberta Battistella, pesquisadora de cultura oral;
– Ana Carolina Francischette, historiadora.

 

 

Revista Diversitas, São Paulo, ano 2, n. 3, set.2014, mar.2015. Baixe o pdf > aqui.

Apresentação na Teia da Diversidade: Memória

Registro de Audiovisual compartilhado por Mestre Alcides de Lima, apresentação na Rádio Amnésia, Teia da Diversidade, UFRN – Natal/RN, maio de 2014.

Contou com a presença de Mãe Lucia de Oyá, Bete de Oxum, Mestre Alcides de Lima, Mestre Marquinhos Simplício, Mestre Chico, Lilian Pacheco, Darlan, Edison Luís dos Santos, entre outros.

 

Encontro de formação docente

São Paulo, 19 de janeiro de 2018.

A APEP (Associação de Professores das escolas públicas e sem fins lucrativos) convida detentores do conhecimento tradicional para compartilhar perspectivas diferentes de difundir conhecimento.

Mestre Alcides de Lima e os babalorixás Daniel Oguntobi e Patrício Araújo palestram sobre os valores civilizatórios afro-brasileiros no processo educativo, numa perspectiva histórica brasileira forjada na resistência, revisando os processos pedagógicos e de transmissão de conhecimentos, mesmos os tradicionais, na busca da minimização das diferenças entre as relações de poder dentro do processo educativo.

Capoeira resistência ancestral.