Batizado 2016.

 

Para não esquecer…

Daquilo que vi:

Triscado no arame

Batido no topo da cabeça

Tomado pelo hálito

Incorporado pela poeira.

#capoeiraresisteciaancestral

A tradição da Pesca do Xaréu da Bahia

A pesca do Xaréu é um momento de trabalho, de canseiras, mas também de beleza, de poesia, de música e de cantos. Num período de 05 meses (de Maio a Setembro) os pescadores ficam trabalhando na construção das redes de pesca que chegam a medir mais de 50 metros de cumprimento. A pescaria do Xaréu é especial porque acontece no período (Outubro a Abril) em que os peixes vão em direção ao norte, formando grandes cardumes para a desova, e é exatamente nesse período que os pescadores lançam-se à sua tarefa cumprindo os mesmos trabalhos dos seus antepassados, desde os tempos da colônia até os dias atuais. Esta tradição não morre, mesmo porque dela depende o comércio e a alimentação de centenas de famílias. Todos os anos se repete o mesmo ritual que foi herdado dos tempos passados.

“Iniciava no período de outubro a abril, os xaréus vão para o Norte em grandes cardumes para a desova, procurando climas mais quentes para cumprimento de sua missão procriadora e é nesta época que os pescadores das praias dos subúrbios de Salvador lançam-se à sua tarefa. Na praia do Chega Nego, em Carimbamba e no Saraiva cumprem os mesmos trabalhos dos seus antepassados, trabalhos que vêm dos tempos Colônias, do Império, da Republica até nossos dias. Frederico Edelweiss nos lembra que o nome Chega Nego vem dos gritos dos senhores, chamando os negros escravos para puxarem as redes do xaréu. E esta tradição não morre, mesmo porque dela depende a subsistência de centenas de famílias, todos os anos se repetem com os mesmos cerimoniais, com os mesmos rituais, podemos dizer com que se procedia nos tempos passados”. (Odorico Tavares. In: “Bahia imagem da Terra e do povo.”)

Esta fala transmite a beleza que foi a pesca do xaréu. Narrando com mestria todos os acontecimentos do ritual dos pescadores nas praias do Rio Vermelho à Amaralina. Como também outros brilhantes baianos escreveram e cantaram sobre a pesca do xaréu, na voz vibrante de Dorival Caimmy e as letras boêmia de Jorge Amado. Tudo ficou no folclore que se perdeu na memória dos baianos, em especial dos pescadores. Não sei se foi os xaréus que fugiram da nossa Costa Marítima, em extinção ou se foi os pescadores que não ensinaram aos seus antecedentes à pesca do xaréu da maneira africana.

Minha jangada vai sair pro mar
Vou trabalhar, meu bem querer
Se Deus quiser quando eu voltar do mar
Um peixe bom eu vou trazer
Meus companheiros também vão voltar
E a Deus do céu vamos agradecer

Adeus, amor
Por favor não se esqueça de mim
Vou rezar prá ter bom tempo
Meu nêgo
Prá não ter tempo ruim
Vou fazer sua caminha macia
Perfumada de alecrim (Canção da Partida, Dorival Caymmi)

Na realidade, ainda existe pescadores e não mais a festa tão cantada e badalada pelos antepassados. Perdeu a Bahia, perdeu o folclore, tão rico em expressões, para a grandeza da nossa cultura que cada vez mais diminui o espaço da tradição do povo, e que levou centenas de anos cultuando as suas alegrias. A festa do Xaréu era relegada como “festa de nego” sem interesse do governo. Não sabendo as autoridades da época que as “festas de negos” seriam no futuro um dos folclores mais promissores de tradições culturais e financeiros do Estado da Bahia. Um importante veículo de atração turística e que hoje timidamente está se desenvolvendo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

52º BATIZADO CEACA & 16º na EMEF AMORIM LIMA

 Venha participar do

52º BATIZADO DO CEACA & 16º NA EMEF DES. AMORIM LIMA

                       PONTO DE CULTURA AMORIM RIMA/CEACA

11 DE DEZEMBRO DE 2016

– DOMINGO –

                                                       10:30h

Rua Vicente Peixoto, 50 Vila Indiana, Butantã

Roda de capoeira com professor Pança

Roda de capoeira com professor Rodrigo Pança

Mestres: Alcides L. Tserewaptu, Dorival dos Santos, Durval A. da Silva (Durval do Coco)

Contra Mestre: Paulinho Baraúna

Professores: Rodrigo Pança, Emerson Marinheiro e Valter Souza

 

Lembramos a todos da Comunidade Amorim Lima, que no dia 11 de dezembro, domingo, teremos na nossa escola o BATIZADO DA CAPOEIRA às 10h30 e a II FEIRA DE ARTESANATOS a partir das 11h.

A FEIRA DE ARTESANATOS tem o objetivo de valorizar o trabalho manual e o consumo responsável na nossa escola. É a oportunidade que familiares e amigos da escola tem de compartilhar e comercializar suas produções artesanais, criações artísticas, seus talentos culinários e ainda ajudar a escola!!

Teremos várias barracas de venda de produtos artesanais e comidinhas caseiras. E também a tradicional barraca da APM com camisetas da escola, produtos da horta, antepastos, pães e sucos feitos por pais voluntários.

As inscrições para expositores deverão ser realizadas até o dia 09/12, com a Dani – assistente da direção, mediante o pagamento de uma taxa que será revertida para a APM.

Quem quiser mais informações pode ligar no tel. 3726.1119 e falar diretamente com a Dani.

“Temos o prazer de convidá-los a engrandecer nossa festa. Traga sua energia, seu Axé!”

AIYÁ NINI TO OGUN LO TO

   “A bravura é tão boa quanto a magia”

    Provérbio em Yorubá

Projeto “Afrofuturismo – Olho do Berimbau” – Memória Audiovisual 2009

O Projeto “Afrofuturismo – Olho do Berimbau” é o resultado de um trabalho de pesquisa e investigação, intervenção urbana e apresentação audiovisual que tem como foco a história da cultura afro-brasileira na formação da identidade nacional.

“Esta atividade integra o Prêmio Interações Estéticas Residências Artísticas em Pontos de Cultura” e foi publicado no Youtube em 14 de out de 2015.

 

Direção: Daniel Lima

Concepção e Realização: Daniel Lima, Daniela Biancardi

Griô Urbano: Mestre Alcides de Lima

Ponto de Cultura Amorim Rima / CEACA:
Mestre Alcides de Lima
Mestre Dorival dos Santos
Mestre Durval do Côco
Adelvan de Lima (Esquilo)
Fabio Rocha (Soneca)
Herinque Rocha (Sonequinha)
Rodrigo Martins (Pança)
Tomás Pimentel (Tomate)
Direção Musical:
João Nascimento

Participação Musical:
Eliane do Côco
Diana Tatit
Tati Tatit
Katiane Mattge
Athaíde Camará (Marcha Lenta)

Assistente de Direção e Produção: Daniela Biancardi

Gravação: Estúdio 185

Técnico de Som: Lidenberg Farias e Beto Mendonça

Participação Especial:
Alfredo Zito
Athaíde Camará (Marcha Lenta)
CM Durval (Jabá)
Diana Tatit
Eliane do Côco
Emerson Marinheiro (Lagarto)
João Nascimento
Katiane Mattge
Mário Salles (Gaúcho)
Tati Tatit
Roberta Estrela D’Alva
Majoi Gongora
Paulinho Baraúna

Edição: Daniel Lima

Câmeras:
Daniel Lima
Eduardo Barros
Carol Misorelli
Daniel Prado
Eduardo Consoni
Evelyn Cristina
Fabio Rocha

Som Direto:
Camila Siqueira
Ben Charles

Produção Executiva: Carolina Barboza

Alunos:
Ana Carolina da Silva Oliveira
Ariane Luna Barbosa
Bianca Arguelho de Souza
Charles Alves de Almeida
Cristhian Campos Oliveira
Gabriela Barros
Giovanna Appel
Graziela Nascimento Tavares
Igor Alves de Souza
Igor Leme dos Santos
Isabela Appel
Jeffrey Pereira Tobias
João Victor Pereira Franca
Kamixa Pereira Tobias
Karla Karoline Torotrelli
Kayth Cristina Pereira
Ketelheen da Silva
Luan Lira Vieira
Lucas Pereira Tobias
Luciana Costa Alves
Luis Felipe Leme dos Santos
Marcos Paulo Barros
Matheus Pereira Tobias
Mayara dos Santos Oliveira
Nayara Novaes dos Santos
Ramon Ferreira de Oliveira Paiva
Rogerio Luna Barbosa
Tarsila Roque de Lima Pereira
Ynaê Oliveira Bomfim

Agradecimentos:
Ana Elisa Siqueira
As Rutes
Camila Siqueira
Eduardo Barros
Eduardo Benaim
Elisabeth de Lima
Equipe do CEU Butantã
Equipe do Museu da Pessoa
Flavinha (TV Brasil)
Floriana Breyer
Frente 3 de Fevereiro
Leandro Saraiva
Marilia Alvarez e Miguel Salvador
Pais e Mestres da EMEF Desembargador Amorim Lima

Apoio:
CEU Butantã
EMEF Desembargador Amorim Lima
Política do Impossível – PI

Fonte: Youtube

XVI Batizado de Capoeira do Ponto de Cultura “Amorim Lima/CEACA” – 51o. geral

“Para cuidar de uma criança, é necessário uma tribo toda” (provérbio africano)

Temos o prazer de convidá-los para nosso batizado e troca de cordões de Capoeira, que acontecerá Dia 13 de dezembro de 2015, com início às 10 horas, na EMEF Desembargador Amorim Lima.

Local: Rua Vicente Peixoto, 50 – Vila Indiana – Butantã (referência: próximo a Praça Elis Regina, Av. Corifeu de Azevedo Marques).

Mestre Coordenador Alcides de Lima “Tserewaptu”

Mestres Dorival dos Santos & Durval do Coco

Contra Mestre Paulinho Baraúna

Professores: Rodrigo Pança, Fábio Soneca e Valter Souza

“Desarme seu espírito, assuma de forma lúdica a Capoeira para desenvolver o equilíbrio afetivo-emocional e enriquecer-se culturalmente”

XVI Batizado de Capoeira do Ponto de Cultura "Amorim Lima/CEACA" - 51o. geral

XVI Batizado de Capoeira do Ponto de Cultura “Amorim Lima/CEACA” – 51o. geral

Dicas de literatura afro-brasileira e africana

Conheça mais sobre essa cultura tão presente no nosso imaginário

Literaturas que valorizam a diversidade étnica e cultural afro-brasileira e africana são uma ótima alternativa para abordar os conteúdos exigidos pela lei 10.639, que obriga o ensino da “História e Cultura afro-brasileira e africana” nas escolas de Ensino Fundamental e Médio das redes pública e privada de todo Brasil.

Veja 14 dicas de livros recomendados para pais, filhos e professores sobre o tema. Confira também o índice de autores negros do Literafro, portal de estudos de literatura afro-brasileira da Universidade Federal de Minas Gerais.

Para ler, clique nos itens abaixo:

1. Menina Bonita do Laço de Fita – Ana Maria Machado
A autora coloca em cena, através da história de um coelho branco que se apaixona por uma menina negra, alguns assuntos muito debatidos nos dias de hoje, como a autoestima das crianças negras e a igualdade racial.
2. Luana, A Menina Que Viu O Brasil Neném – Oswaldo Faustino, Arthur Garcia e Aroldo Macedo
O livro conta a história de Luana, uma menina de 8 anos que adora lutar capoeira, e a historia do descobrimento do Brasil. Ao lado de seu berimbau mágico, ela leva o leitor a outras épocas e lugares e mostra o quão rica é a cultura brasileira, além da importância das diferentes etnias existentes por aqui.
3. O Menino Marrom – Ziraldo
O Menino Marrom conta a historia da amizade entre dois meninos, um negro e um branco. Através da convivência aventureira dessas crianças ao longo de suas vidas, o autor pontua as diferenças humanas, realçando os preconceitos em alguns momentos.
4. Lendas da África – Júlio Emílio Brás
O livro mostra fábulas tipicamente africanas para leitores de todo mundo. Nas histórias, o autor mostra um pouco do folclore africano, além de passar valores do “tempo em que os animais ainda falavam” para as crianças.
5. Terra Sonâmbula – Mia Couto
Primeiro livro do autor africano, Terra Sonâmbula foi considerado um dos doze melhores romances do continente no século 20. Numa estória emocionante sobre o encontro de um menino sem memória e um velhinho meio perdido pelo mundo, Mia Couto mistura símbolos tradicionais da cultura e da história moçambicana.
6. Meu avô um escriba – Oscar Guelli
A história se passa na África, mais precisamente no Egito. O pequeno Tatu é neto de um escriba. A convivência com o avô permitirá ao menino aprender cálculos, a ter contato com tradições mais antigas de seu país e a se preparar para também ser um escriba um dia.
7. O Cabelo de Lelê – Valéria Belém
Lelê é uma linda menininha negra, que não gosta do seu cabelo cheio de cachinhos. Um dia, através de um fantástico livro, começa a entender melhor a origem de seu cabelo e, assim, passa a valorizar o seu tipo de beleza.
8. A varanda Do Frangipani – Mia Couto
O romance policial moçambicano é marcado por palavras criadas pelo próprio autor, nascido no país onde se passa a trama. A história conta sobre o violento colonialismo em Moçambique e a superação do país a partir dessa cicatriz histórica.
9. Bia na África – Ricardo Dregher
O livro é parte da coleção “Viagens de Bia”. Nessa estória, Bia viaja por diferentes países da África, como Egito, Quênia e Angola. Na aventura, a garotinha conhece, entre outras curiosidades, a história do povo árabe e dos nossos antepassados negros, que vieram como escravos da África para o Brasil há muitos anos.
10. Avódezanove e o segredo do soviético – Ondjaki
Em Luanda, capital da Angola, África, as obras de um mausoléu realizadas por soldados soviéticos ameaçam desalojar morados da PraiaDoBispo, bairro da região. As crianças do bairro percebem as mudanças com olhares desconfiados. Talvez elas sejam as primeiras a perceber que a presença dos soldados soviéticos significa mais do que uma simples reforma espacial.
11. Tudo Bem Ser Diferente – Todd Parr
A obra ensina as crianças a cultivar a paz e os bons sentimentos. O autor lida com as diferenças entre as pessoas de uma maneira divertida e simples, abordando assuntos que deixam os adultos sem resposta, como adoção, separação de pais, deficiências físicas e preconceitos raciais.
12. Diversidade – Tatiana Belinky
O livro mostra, através de versos, porque é importante sermos todos diferentes. A autora fala que não basta reconhecer que as pessoas não são iguais, é preciso saber respeitar as diferenças.
13. Num tronco de Iroko vi a Iúna cantar – Erika Balbino
Acompanhando as aventuras dos irmãos Cosme, Damião e Doum e seus amigos, os leitores entram em uma jornada que revela a relação do corpo com a música e aproxima as crianças da capoeira por meio de figuras lendárias das religiões de matriz africana. Além do enredo e das ilustrações do grafiteiro Alexandre Keto, um CD com a narração da história pela própria autora e cheio de cantos de capoeira e de Umbanda valorizam ainda mais essa luta, que é apresentada como dança, arte e jogo também.
14. Amanhecer Esmeralda – Ferréz
O livro conta a história da garota Manhã, negra, pobre e com grandes responsabilidades mesmo com tão pouca idade. Manhã tem sua vida transformada ao ganhar um vestido esmeralda de seu professor, que faz com que ela mude a forma como se vê e como vê o mundo ao seu redor.

Fonte: http://educarparacrescer.abril.com.br/leitura/12-dicas-literatura-afro-brasileira-africana-729395.shtml

CEACA participa da Festa da Cultura dia 18, às 14 hs.

A FESTA DA CULTURA 2014 – com tema Povos Originários do Brasil – acontece no dia 18 de outubro (sábado) a partir das 14h. Nesse horário o CEACA fará a sua apresentação.

Lembramos que os preparativos da festa são tão importantes quanto a festa em si.

E todos os pais, alunos e amigos da escola estão convidados a participar. Quais serão as atividades?

1) Oficina de CONSTRUÇÃO DE MÓVEIS com PALETS

Dia 11 de outubro, sábado, das 8h30 às 16h, pais e alunos poderão aprender a fazer móveis com Palets (aquelas madeiras descartadas por grandes armazéns como o Ceasa). Veja na foto abaixo o que é possível fazer com madeira que, teoricamente, iria para o lixo. (Tem mais foto lááá no final do post.

2) Dia do Voluntariado TELEFÔNICA

Na sexta feria dia 17/10 , das 8hoo às 16h – voluntários da empresa para realizar diversas reformas Telefônica estarão na escola para atuar em melhorias no prédio. Neste dia só irão para a escola os alunos de 1° a 3° anos que terão atividades recreativas. Pais que puderem vir serão bem-vindos! Inscreva-se diretamente com a diretora Ana Elisa. As reformas previstas para acontecer são: pintura das linhas das quadras esportivas,  reforma e arrumação do parquinho das crianças, da horta, de várias partes do jardim, dos banheiros, pintura de jogos de amarelinha no chão, barreamento das paredes da OPY, catalogação final dos livros da Biblioteca. Nossa escola vai ficar incrível!
3) MUTIRÃO DA FESTA DA CULTURA

Na sexta-feira, dia 17 a partir das 18h00, e no sábado a partir das 8h00, a equipe responsável pela organização precisará MUITO de ajuda para montar a FESTA DA CULTURA – no Amorim Lima.

Por favor, apareça, ajude… Colabore com este trabalho coletivo. Faz parte do aprendizado – no Amorim é assim: fazemos tudo junto. Só existe crescimento e aprendizado se caminharmos de mãos dadas.

 

Fonte: Publicado em por mcarini