Memórias da Festa Junina no Amorim Lima 2015

A festa junina na escola Amorim Lima acontece todos os anos em meados do mês de junho e atrai jovens, crianças, adultos e idosos da comunidade que organizam e participam da preparação e produção desse evento cultural no Butantã. As prendas são feitas artesanalmente e conta com a ajuda de pais e amigos da escola. Assim, todo mundo trabalha um pouquinho e todo mundo se diverte um montão.

Veja as reportagens sobre a nossa festa em anos anteriores.

No dia 20 de junho, aconteceu a edição 2015 da Festa Junina do Amorim Lima. Jovens participaram de vivências de coco de roda, samba de roda, maculelê, ciranda e outras manifestações culturais ministradas pelos mestres Alcides de Lima, Durval do Coco, Dorival, Paulinho e os professores Valter Luz e Rodrigo Pança, integrantes do Centro de Estudos e Aplicação da Capoeira (CEACA).

Confira a Galeria de Imagens!

A escravidão não está só nos livros de história…

Se em 13 de maio de 1888 – quando o Brasil finalmente aboliu a escravidão, sendo o último país do ocidente a fazê-lo – o numero de pessoas escravizadas no mundo era de 800 mil atualmente ele é de 20 a 30 milhões de pessoas, segundo dados da Organização Internacional do Trabalho. No Brasil, estimativas apontam para um numero próximo de 50 mil pessoas. No caso brasileiro, desde o fim oficial da escravidão muito pouco foi feito para alçar o negro à condição de igualdade dentro da sociedade. Além de torná-la ilegal, o que mudou da escravidão praticada durante os primeiros 450 anos da história brasileira para a praticada na atualidade é que agora ela não é alimentada por um mercado reconhecido institucionalmente, senão pela exploração cruel e desumana da condição de vulnerabilidade econômica e social de alguns trabalhadores, em outras palavras, violação endêmica e sistemática dos direitos econômicos, sociais de homens e mulheres, brasileiros ou não.

A escravidão moderna afeta predominantemente (mas não exclusivamente) meninos e homens com idade a partir dos 15 anos. No Brasil, ela ocorre mais frequentemente na pecuária e na agricultura (quando rural) e recentemente, na indústria de vestuário (quando urbana), mas não está restrita somente à estas atividades. O tema vincula-se com diversas outras problemáticas como o trafico de pessoas, a exploração sexual, certa indústria da adoção, o trabalho infantil, as crianças soldados, etc. Em grande parte dos casos a escravidão moderna se perpetua através de práticas como a servidão por dívidas, contratos ilegais, servidão doméstica, etc. Em todas as ocasiões, as vitimas de trabalho forçado trabalham por horas intermináveis, com pouca ou nenhuma remuneração, são proibidos de deixar o trabalho ou se recusar a ele, sujeitos à violência física, psicológica e, alguma vezes, sexual.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Proteger o direito dos trabalhadores combatendo o trabalho em condições análogas à escravidão – outro nome da escravidão moderna – é uma obrigação do estado brasileiro que infelizmente insiste em não reconhecer que casos de escravidão moderna não são eventos esporádicos e aleatórios mas sim uma prática que ainda persiste na sociedade brasileira. Neste caso especificamente, a obrigação do governo brasileiro é de proteger os direitos dos trabalhadores contra a exploração de seu trabalho. Através de forte empenho de atores da sociedade civil nos últimos anos, algumas importantes vitórias foram conquistadas como a criação da lista suja do Ministério do Trabalho, que publica a relação dos empregadores flagrados utilizando-se de este tipo de mão de obra.

Mais recentemente, em 05 de junho de 2014, foi promulgada no Congresso Nacional a Emenda Constitucional derivada da (PEC 57A), conhecida como PEC do combate ao trabalho escravo. Com ela a Constituição Brasileira foi alterada sendo uma das únicas no mundo que preconizam a expropriação de imóveis em que neles ocorrerem trabalho escravo. Esta é uma grande vitória dado que aprovação levou 15 anos, embora, na prática, a Emenda somente terá efeito quando o Senado aprovar o projeto de Lei 432 que regulará a matéria.

A defesa de todos os direitos humanos, incluindo os direitos econômicos, sociais e culturais é obrigação do estado mas também do indivíduo. Cobrar o estado é a obrigação de consciência de todos aqueles e aquelas que desejam uma sociedade mais justa e humana.

Informe-se, cobre os responsáveis, boicote as empresas condenadas por trabalho escravo. Ajude a construir uma sociedade na qual a escravidão esteja somente nos livros de história.

 

Fonte: http://dignityinternational.org/v3/wp-content/uploads/2014/06/A-escravidao-nao-esta-so-nos-livros-de-historia.pdf

Seminário Capoeira e Cidadania presta homenagem aos mestres do saber

O Seminário Capoeira e Cidadania foi organizado por Mestre Gladson e Mestre Vinicius no CEPEUSP. Reuniu vários Mestres, professores, alunos etc. Conforme comentou Mestre Alcides de Lima em sua página do facebook,

“Foi um encontro maravilhoso… Mais emocionante ainda foi a homenagem ao Mestre Meinha, com muito Axé! Saí dali muito fortalecido… A cantoria do coco com Mestre Durval e Eliane foi excelente, todos curtiram e dançaram; tive a oportunidade de conhecer Mestre Ramos, Senzala do Rio de Janeiro, e reencontrar amigos como Mestres César e Mané, Natanael, Flávio Sargento entre tantos outros”.
 Vejam as imagens do evento e link para acessar a cantoria de Mestre Ramos, grupo Senzala do Rio de Janeiro.

https://www.facebook.com/photo.php?v=417686938373436&set=vb.100003964002111&type=2&theater

 

A Capoeira é uma das mais representativas manifestações da cultura brasileira, tendo sida reconhecida, em 2008, como Patrimônio Cultural Brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional (IPHAN). Tendo o referido órgão do Ministério da Cultura incluído o ofício dos Mestres de Capoeira no Livro dos Saberes e a Roda de Capoeira, no Livro das Formas de Expressão.

Historicamente a Capoeira sempre esteve associada à afirmação de direitos e luta pela cidadania, sendo os direitos à LIBERDADE e à Dignidade Humana as mais importantes demandas sociais reivindicadas e conquistadas ao longo da história da Capoeira. Criada no Brasil pelos africanos aqui escravizados, a Capoeira sempre se caracterizou como luta de resistência contra a opressão do sistema dominante.

Nos últimos anos a Capoeira tem sido inserida em Escolas, Universidades, Centros Comunitários e Projetos Sociais no Brasil e no mundo, oferecendo a crianças, jovens, adultos, idosos e portadores de necessidades especiais o direito à Educação, à Cultura e à Inclusão Social. Em cada um desses espaços, a Capoeira contribui para a formação de indivíduos mais conscientes de seus direitos e deveres e aptos a participar ativamente da construção da Cidadania.

Neste contexto, os Mestres da Cultura popular e mais especificamente os Mestres de Capoeira, desempenham papel fundamental, preparando seus discípulos para a vida como um todo, sensibilizando-os para importantes questões da sociedade atual. As manifestações populares como a Capoeira são um campo propício para o desenvolvimento da Cidadania e da consciência de ser brasileiro. Com o intuito de aprofundar a vivência e a reflexão, a teoria e a prática do potencial que a Capoeira, os Mestres do Saber e a Cultura Popular apresentam na promoção da Cidadania, o Seminário Capoeira e Cidadania promoveu entre os dias 27 e 29 de JUNHO atividades diversas aproximando os diferentes atores envolvidos neste cenário.

Festa Junina no Amorim Lima: Memória e Tradição Oral

No dia 6 de Junho aconteceu a grande Festa Junina na Escola Desembargador Amorim Lima. O CEACA fez belíssima apresentação que começou às 14 hs.

Teve roda, dança, música, além do famoso coco do Sr. Durval

Veja a galeria de imagens da Festa:

Festa Junina 2014: churrasco, suco, dança…gente feliz

─ “Hum”…dizia um para o churrasco.
─ “Nossa! Que delícia!”, falava o outro para o suco natural.
─ “Quero mais!”, pedia um terceiro para o cuscuz.

E assim a tarde de sol ia passando, com crianças brincando para lá e para cá, pais ajudando na organização das barracas, amigos batendo papo. Parecia uma família imensa. E era. A Comunidade Amorim Lima se reúne várias vezes antes de junho, em mutirões, para fazer prendas e pensar nas atrações da Festa. Algumas coisas são tradição, outras vão mudando. Mas o resultado sempre é delicioso. Por que tanta energia em uma Festa? Resposta: porque não é só uma festa. É um momento precioso de ensinar às crianças o valor da colaboração. E de cultivar o que temos de mais rico: nossa cultura popular. Veja algumas fotos abaixo e navegue por mais imagens no Facebook. Se você perdeu, já sabe: ano que vem tem mais e começa bem antes de junho. Venha, participe! A ajuda de todos é o que constrói a escola.

Fonte: Amorim Lima – http://amorimlima.org.br, por mcarini

FESTA JUNINA – DIA 07 DE JUNHO DE 2014

EMEF Desembargador Amorim Lima – Tel: (11) 3726-1119

Rua Professor Vicente Peixoto, 50 – Vila Indiana – São Paulo.

Exibir mapa ampliado

FJunina_7.6.2014_amorim