Projeto “Afrofuturismo – Olho do Berimbau” – Memória Audiovisual 2009

O Projeto “Afrofuturismo – Olho do Berimbau” é o resultado de um trabalho de pesquisa e investigação, intervenção urbana e apresentação audiovisual que tem como foco a história da cultura afro-brasileira na formação da identidade nacional.

“Esta atividade integra o Prêmio Interações Estéticas Residências Artísticas em Pontos de Cultura” e foi publicado no Youtube em 14 de out de 2015.

 

Direção: Daniel Lima

Concepção e Realização: Daniel Lima, Daniela Biancardi

Griô Urbano: Mestre Alcides de Lima

Ponto de Cultura Amorim Rima / CEACA:
Mestre Alcides de Lima
Mestre Dorival dos Santos
Mestre Durval do Côco
Adelvan de Lima (Esquilo)
Fabio Rocha (Soneca)
Herinque Rocha (Sonequinha)
Rodrigo Martins (Pança)
Tomás Pimentel (Tomate)
Direção Musical:
João Nascimento

Participação Musical:
Eliane do Côco
Diana Tatit
Tati Tatit
Katiane Mattge
Athaíde Camará (Marcha Lenta)

Assistente de Direção e Produção: Daniela Biancardi

Gravação: Estúdio 185

Técnico de Som: Lidenberg Farias e Beto Mendonça

Participação Especial:
Alfredo Zito
Athaíde Camará (Marcha Lenta)
CM Durval (Jabá)
Diana Tatit
Eliane do Côco
Emerson Marinheiro (Lagarto)
João Nascimento
Katiane Mattge
Mário Salles (Gaúcho)
Tati Tatit
Roberta Estrela D’Alva
Majoi Gongora
Paulinho Baraúna

Edição: Daniel Lima

Câmeras:
Daniel Lima
Eduardo Barros
Carol Misorelli
Daniel Prado
Eduardo Consoni
Evelyn Cristina
Fabio Rocha

Som Direto:
Camila Siqueira
Ben Charles

Produção Executiva: Carolina Barboza

Alunos:
Ana Carolina da Silva Oliveira
Ariane Luna Barbosa
Bianca Arguelho de Souza
Charles Alves de Almeida
Cristhian Campos Oliveira
Gabriela Barros
Giovanna Appel
Graziela Nascimento Tavares
Igor Alves de Souza
Igor Leme dos Santos
Isabela Appel
Jeffrey Pereira Tobias
João Victor Pereira Franca
Kamixa Pereira Tobias
Karla Karoline Torotrelli
Kayth Cristina Pereira
Ketelheen da Silva
Luan Lira Vieira
Lucas Pereira Tobias
Luciana Costa Alves
Luis Felipe Leme dos Santos
Marcos Paulo Barros
Matheus Pereira Tobias
Mayara dos Santos Oliveira
Nayara Novaes dos Santos
Ramon Ferreira de Oliveira Paiva
Rogerio Luna Barbosa
Tarsila Roque de Lima Pereira
Ynaê Oliveira Bomfim

Agradecimentos:
Ana Elisa Siqueira
As Rutes
Camila Siqueira
Eduardo Barros
Eduardo Benaim
Elisabeth de Lima
Equipe do CEU Butantã
Equipe do Museu da Pessoa
Flavinha (TV Brasil)
Floriana Breyer
Frente 3 de Fevereiro
Leandro Saraiva
Marilia Alvarez e Miguel Salvador
Pais e Mestres da EMEF Desembargador Amorim Lima

Apoio:
CEU Butantã
EMEF Desembargador Amorim Lima
Política do Impossível – PI

Fonte: Youtube

Festa Junina no Amorim Lima: 20 de Junho

O que você pretende fazer no próximo sábado, dia 20 de Junho?

Venha conhecer e participar da melhor Festa Junina do Butantã!

Começa a partir das 13:00 hs. É uma festa diferente, preparada com carinho, especialmente para você – nosso convidado especial!

Traga seu irmão, sua irmã, pai, mãe, tios e tias. A Festa Junina do Amorim Lima terá o prazer de receber a todos! As prendas foram artesanalmente feitas com a participação de pais e amigos da escola. Assim, todo mundo trabalha um pouquinho e todo mundo se diverte um montão.

Veja as reportagens sobre a nossa festa em anos anteriores.

Levante da poltrona! Venha participar e brincar conosco!

Festa Junina boa é no Amorim Lima, 20 de junho, às 13 hs.

Festa Junina boa é no Amorim Lima, 20 de junho, às 13 hs.

Ceaca participa da abertura da Semana Municipal de Capoeira Embu das Artes

De 3 a 9 de agosto acontece a 1ª Semana Municipal de Capoeira Embu das Artes, uma iniciativa da Associação dos Capoeiristas de Embu das Artes (ACEA) e do Conselho Regional de Mestres de Capoeira (CRMC), contando com apoio da Prefeitura de Embu das Artes, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, e do Ponto de Cultura Diversidades Culturais na Capoeira. Em 15 de agosto de 2013, o prefeito Chico Brito assinou a Lei Ordinária 2.681, criando o Dia Municipal da Capoeira (3/8) e a Semana Municipal da Capoeira.

A primeira edição da Semana de Capoeira (já incluída no calendário de datas e eventos da cidade), contará com seminário, palestras, exposição, mostra cultural, oficinas e apresentações culturais, com participação de capoeiristas, diversos mestres de capoeira, instrumentistas, dançarinos. As atividades são abertas ao público e serão realizadas nos centros culturais Mestre Assis do Embu e Pirajuçara/EM Valdelice, na ACEA, na praça do Casa Branca e nas escolas municipais Valdelice, Reynaldo e Delphina.

Três membros do CEACA (Alcides, Valter e Edison) participaram, ontem (3/8, domingo), da abertura do evento. Mestre Alcides fez palestra sobre a capoeira, falou sobre a lei e ação Griôs. Em seguida, houve apresentação de vídeo e “Berimbalada”, com várias pessoas tocando berimbau nos diversos ritmos.

 

Programação

4/8, segunda-feira
Manhã e tarde – Capoeira nas Escolas e aula prática. Apresentação nas escolas municipais Reynaldo Ramos de S. da Gama (rua Narumi Nakayama, 100, Jardim Nossa Senhora de Fátima) e Antônia Augusta Delphina de Moraes (rua Ana Maria, 150, Jardim Santo Eduardo). Palestras do Mestre Joca e Professor Colher.

19 às 21h – Oficina de Maculelê – Puxada de Rede, com o Mestre Azambuja, mostrando diversidade da capoeira e danças folclóricas. Associação dos Capoeiristas (rua Madeira, 80, Jardim Novo Campo Limpo)

5/8, terça-feira
Manhã e tarde – Projeto Capoeira nas Escolas e aula prática. Palestras com Mestre Joca e Mestre Oró. Centro Cultural Parque Pirajuçara – EM Valdelice A. Medeiros Prass (av. Aimará, s/nº)

6/8, quarta-feira
18 às 21h – Apresentação do filme Capoeira Iluminada, seguida de Oficina de Dança Afro, com os professores Faísca e Gugu. Praça da EM Valdelice Prass (av. Aimará, s/nº)

7/8, quinta-feira
18 às 21h – Oficina Capoeira Angola, a mais primitiva e um dos três estilos da capoeira (os outros são regional e contemporânea), seguida de Roda de Capoeira – Dança do Coco, com os oficineiros Mestre Meinha e Cesinha. Centro Cultural Mestre Assis do Embu (largo 21 de Abril, 29)

8/8, sexta-feira
18 às 21h – Aulão de Capoeira e Roda, com Mestre Zai, Professor 7 Vidas e Mestrando Pererê. Oficina de Samba de Roda, com diversas danças e participação do público. Praça do Jardim Casa Branca

9/8, sábado
10 às 15h – Aulão e Roda e Capoeira – encerramento. Praça Manoel Almeida dos Santos/EM Valdelice Prass

A entrada é gratuita e a programação, aberta a todas as idades.

Mestre Durval participa da produção partilhada de saberes da tradição oral

O Curso Pedagogia Griô e Produção Partilhada do Conhecimento (USP) recebeu o Mestre Durval do CEACA. Após uma bela preparação e reverências aos Mestres da Cultura Oral, realizada por Rodrigo Pança, Márcio Caires e Lillian Pacheco, os participantes compreenderam que a cultura oral somente pode ser apreendida por meio de vivências orientadas pelos próprios Mestres Griôs. Fica aqui também nosso reconhecimento em relação à intermediação que a Pedagogia Griô realiza,como uma forma de vida que integra a tradição oral, a formação cidadã e a educação! A Pedagogia Griô foi desenvolvida pelo Grãos de Luz e Griô (Lillian Pacheco e Marcio Caires), com a participação de Everaldo Cândido e Neander Heringer (Nina Griô), Henri Durand e Mestre Alcides de Lima (CEACA) e de todos os presentes!

 

O CEDIPP (Centro de Comunicação Digital e Pesquisa Partilhada) tem por objetivos propor a PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO EM HIPERMÍDIA que investiga a relação entre a linguagem hipermídia e a produção do conhecimento científico; e a PRODUÇÃO PARTILHADA DO CONHECIMENTO, iniciativa interdisciplinar de investigadores e professores universitários brasileiros e estrangeiros, que pesquisam em parceria com comunidades afrodescendentes, indígenas e urbanas.

CEACA é destaque na Revista do MinC

Minha escola é um palco de arte e ofício

O mestre de tradição oral Alcides de Lima tem uma vida inteira dedicada a disseminar arte. Ele é o criador do MINHA HISTÓRIA, projeto que tem origem na favela São Remo. Em um local vizinho ao campus da Universidade de São Paulo, a molecada tinha ali uma espécie de “quintal”, mas a algazarra acabava incomodando universitários nas salas de aula. Um dia, uma estudante de História encaminhou as crianças até a sede do Centro de Estudos e Aplicação da Capoeira (CEACA), que funcionava na Associação de Moradores do Conjunto Residencial da Universidade de São Paulo (Amorcrusp).

 Assim começou o trabalho do mestre Alcides, que fez tanto sucesso no Brasil que chegou até os Estados Unidos. “O ‘Minha História’ foi criado a partir da ideia de que cada criança contasse sua história de vida”, conta o mestre. Ele ensina cultura tradicional há 13 anos na Escola Municipal Desembargador Amorim Lima, em São Paulo. O local se tornou um Ponto de Cultura, e, assim, a capoeira passou a integrar o currículo escolar.

 Fotos: Galeria de Arquivos, CEACA.

Perto dali, em Carapicuíba, a educadora Luciene da Silva ministra oficinas baseadas na arte e cultura brasileiras para alunos da escola pública Esmeralda Becker Freire de Carvalho. As aulas são realizadas pelo Ponto de Cultura da Associação Aldeia de Carapicuíba (OCA). As oficinas formam crianças e adolescentes na cultura brasileira e pesquisam costumes, histórias, ‘causos’ e trava-línguas locais para serem reinseridos nas brincadeiras e atividades artísticas desenvolvidas pela OCA. Os alunos, se desejarem, quando completam 14 anos, tornam-se multiplicadores dos conhecimentos em outras escolas da região, como monitores de atividades artístico-culturais.

Esses dois mestres em seus ofícios fizeram das escolas um palco de diálogo entre a educação formalmente ministrada e os saberes culturais da comunidade. O trabalho deles integra equipamentos públicos e espaços culturais às atividades escolares. As experiências mostram que a formação cultural de crianças e jovens pode, e deve, ser incrementada com o incentivo a atividades conjuntas entre a sociedade civil e as escolas públicas nas áreas da Cultura e das Artes. O resultado são alunos mais envolvidos com as atividades escolares e com a cultura da comunidade onde vivem.

Fonte:  Revista do MinC, Brasília, out-2013, n. 2, p. 15.

Revista do MinC, Brasília, out-2013, n. 2, p. 15.

Matéria editada a partir da fonte: Minha escola é um palco de arte e ofício. In: Revista do MinC, Brasília, out-2013, n. 2, p. 14-15.

Link para Download da Revista – integral – REVISTA DO MINC, n. 2, out.2013.

 

 

Saiba mais sobre o CEACA – Faça download gratuito de nossa publicação.
https://drive.google.com/file/d/0B8JVCyw9taFscE1mVWphbFJaNlE/edit?usp=sharing

Com a Palavra: Mestre Alcides de Lima

A tradição oral é a grande escola da vida e dela recupera e relaciona todos os aspectos. Pode parecer caótica àqueles que não lhe descortinam o segredo e desorientar a mentalidade cartesiana acostumada a separar tudo em categorias bem definidas. (…) Ela é ao mesmo tempo religião, conhecimento, ciência natural, iniciação à arte, história, divertimento e recreação, uma vez que todo pormenor sempre nos permite remontar à Unidade primordial.

(BÂ, Amadou Hampâté. A tradição viva. In: KI-ZERBO, J. (Coord.) História geral da África, Vol. I. São Paulo: Ática-Unesco, 1982, p. 183) Disponível em: http://www.casadasafricas.org.br/.

É com muita alegria que vimos compartilhar com todos os admiradores e praticantes das culturas populares tradicionais este trabalho, que vem sendo desenvolvido deste 1988, com a fundação do Centro de Estudos e Aplicação da Capoeira – CEACA, na USP. Naquela data este trabalho foi mais direcionado para o início de uma `simbiose`, que compartilhou as culturas de raíz com a Educação formal.

 

O intuito do CEACA sempre foi criar um centro de estudos para pesquisas, e com essas pesquisas viria a transformação da reflexão em ações temáticas e orgânicas, e dentro desta organicidade foram pesquisados temas, e tais temas foram transformados em produtos culturais, como peças teatrais, músicas, vídeos, e agora textos de reflexão.

Lembro-me que dentre as peças que realizamos tivemos “A comemoração de 300 anos da morte de Zumbi dos Palmares”, a “Homenagem à memória de Besouro Mangangá”, também fizemos uma encenação que trazia à tona a questão dos 4 elementos da natureza: terra, fogo, água e ar”, e esta peça foi tema de defesa de uma dissertação da Faculdade de Educação da USP com temática afins do tema abordado. Mais recentemente, tivemos o Canto de Trabalho “Vissungo”, “Ondas Verdes” de Monteiro Lobato, e Navio Negreiro de Castro Alves, dentre outros. Para cada evento deste, lembro-me que produzíamos uma trilha sonora com a autoria do grupo; com produções de vídeos e registros.

 

Devido a seriedade do trabalho, fomos convidados a desenvolver oficinas e workshops no exterior, estivemos nos EUA, na Universidade Estadual do Colorado 1995-1999, departamentos de danca, música e antropologia, além de escolas de educação formal de ensino fundamental e médio; estivemos também em Bordeaux na Franca; San Juan e Luquillo, em Puerto Rico e nas cidades de Temuco, Valdivia e Vila Rica no Chile.

A partir de 2005, com as parcerias do Ponto de Cultura do MinC/Secretaria de Cultura do Estado de Sao Paulo, potencializou-se parte de nossas ações; foram trabalhados a formação de agentes de cultura, participamos da Ação Griô Nacional, da Lei Griô, da Universidade Griô, compusemos a Comissão Nacional de Mestres e participamos de Fóruns de Culturas Populares e Tradicionais.

Junto a tudo isso, é muito importante mencionar, que existe no CEACA uma equipe que se doa ao trabalho, que possui uma voluntariedade imensa em prol da cultura popular, e podemos considerar que a maior parceria é a força de vontade desta equipe, sempre em trabalho compartilhado.

Um grande exemplo disso foi a realização do livro LIMA, Alcides de. (Org.) Capoeira & Educação: coletânea de estudos e práticas. São Paulo: CEACA, 2013, feito com a colaboração de todos, que de alguma forma fazem parte da família CEACA, ou conhecem o nosso trabalho; há também nesta edição, um resumo dos principais trabalhos do Ponto de Cultura.
Vale lembrar que a intenção desta obra é compartilhar com todos um pouco da trajetória de trabalho do CEACA, dando vazão para que essas vozes se expressem na reflexão sobre as culturas populares e tradicionais.

A partir de agora, iniciamos uma fase de inovação social do CEACA com a criação de nossa interface digital na plataforma wordpress, conectada às principais redes sociais, visando às trocas e diálogos interculturais com outros lugares de memória e de cultura do Brasil e do Mundo!

Sejam todo(a)s bem-vindo(a)s ao siteblog da família CEACA – https://capoeiraceaca.wordpress.com

Roda de Capoeira no Amorim Rima, com Mestre Alcides, Tserewaptu (‘O sonhador, o veloz’, em língua Xavante)

Desde 1990, o projeto Expresse-se com Consciência: Faça Capoeira, vem sendo desenvolvido por Mestre Alcides de Lima e Mestre Dorival no CEACA.

Desde 1990, o projeto Expresse-se com Consciência: Faça Capoeira vem sendo desenvolvido por Mestre Alcides de Lima e Mestre Dorival no CEACA.