CEACA participa da Festa Junina do Amorim Lima

A Festa Junina é a maior festa coletiva da escola Amorim Lima. Ela é uma grande celebração da cultura popular brasileira e aconteceu hoje, no dia de São João, 24 de Junho de 2017. Durante a festa vários alunos apresentaram números de danças, maracatus, cocos e quadrilhas, incluindo a tradicional roda de capoeira do CEACA, além da ciranda da comunidade, barracas de brincadeiras e comidas e bebidas variadas. Ao final da noite, todas as pessoas participaram do “Cortejo das Lanternas”.

As prendas da Festa Junina foram todas confeccionadas artesanalmente pela comunidade a partir de materiais recicláveis. Toda a comunidade compareceu e ajudou: estudantes, familiares, professoras, professores, funcionárias e funcionários, vizinhos, amigos, cantores populares etc. Foi organizada em conjunto pela comunidade e a equipe de gestão da escola.

Veja a seguir a apresentação do Maculelê pelos integrantes do CEACA:

 

Sr. Durval do Coco cantou na Festa da Cultura do Amorim Lima

Mestre Durval é cantador do Coco. Nasceu em uma cidade de Pernambuco chamada Garanhuns, em 17 de março de 1937. Aprendeu o coco de improviso, escutando minha mãe e suas amigas cantando, mas ele queria cantar diferente, sem o sotaque que elas tinham. Gostar de cantar já vem dessa tradição familiar. Quando tinha uns 17 anos mudou para Olinda, cidade grande de Pernambuco, tudo diferente da cidade pequena onde nasceu. Foi orador de uma associação de um clube de dominó, já falava bem, tinha um discurso muito bom.

Conheceu Mestre Alcides e o CEACA por meio de um grande amigo – Valter (Valtão) – que sempre lhe dizia que tinha que conhecer esse mestre, que gosta de capoeira e macumbas, referindo-se à sua mãe dona Selma que é de terreiro, e ele diz não acreditar nessas coisas.

Participando das festas de Coco na cidade de Recife aprendeu o instrumento que mais lhe agradava na orquestra de coco, o ganzá, que utilizou para acompanhar os versos que começava a fazer, mas não queria fazer igual queria fazer melhor que os outros coquistas.

O coco que o Sr. Durval e a sua família tocam tem como característica o improviso, é uma manifestação popular surgida em festas abertas que sugere a espontaneidade do povo brasileiro, a ludicidade e a espiritualidade reservada ao toque dos instrumentos da orquestra que é formada pelo atabaque, o ganzá e os pontos versados. Considera-se coco raiz aquele que se comunica por meio da expressão e transmissão de conhecimentos através da musicalidade, expressão verbal e corporal.

 

Para saber mais, visite a página do Sr. Durval no site: https://capoeiraceaca.wordpress.com/mestres/durval-do-coco/