Memórias Juninas 2018: Ação e Participação!

No dia 23 de junho aconteceu a grande Festa Junina do Amorim Lima, uma das mais importantes festas do calendário da Escola e contou com a tradicional apresentação do CEACA que animou a festa.

A Festa Junina é uma das Ações Estratégicas PPP da Amorim Lima, que são pensadas para colocar em prática, os objetivos gerais e específicos do Projeto Político Pedagógico da Escola:

  1. Elevar o grau de compromisso por parte de todos na escola, que no âmbito do projeto significa conhecê-lo plenamente, identificar-se com ele, fazendo disso sua prática.
  2. Ampliar as experiências culturais para a transformação das relações entre os homens em sociedade.
  3. Desenvolver e implementar uma intencionalidade educativa que seja clara e compartilhada por todos.
  4. Reafirmar nas ações educativas, os valores de autonomia, solidariedade, democracia participativa e responsabilidade.
  5. Garantir diferentes instâncias de participação na vida da escola em consonância com as leis.
  6. Criar e organizar os espaços para o pleno desempenho do projeto.

O planejamento para a festa e tudo o que acontece para a sua execução antes, durante e depois do dia da Festa Junina são guiados por estes objetivos e, no conjunto, a realização na prática deles. Estudantes, famílias, mães, pais, professoras, professores, tutores, gestão, quadro de apoio, enfim toda a Comunidade Escolar se envolve nos trabalhos e funções para que a Festa Junina possa ser ao mesmo tempo aprendizado, diversão, integração e principalmente um espaço de Ação e Participação de todos.

São vários voluntários que se dedicam desde o começo do ano a organizar e preparar as prendas que são distribuídas na festa. Prendas produzidas com materiais reciclados, reaproveitados e feitos pelas crianças e suas famílias com o apoio da Comissão de Festas e Prendas.

Anúncios

Experiência educativa do Ceaca

Localizada na região do Butantã, em São Paulo, a Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Desembargador Amorim Lima possui um Plano Político Pedagógico diferente das demais escolas. Na formação teórica do dia 04 de maio de 2015, os/as jovens monitores/as do Programa Jovem Monitor/a Cultural (PJMC) não apenas conheceram a experiência educativa do local, como também vivenciaram algumas práticas de arte-educação baseadas nas culturas tradicional e popular.

No período da manhã, os/as jovens participaram de vivências de coco de roda, samba de roda, maculelê, ciranda e outras manifestações culturais ministradas pelos mestres Alcides de Lima, Durval do Coco e o professor Rodrigo Pança, integrantes do Centro de Estudos e Aplicação da Capoeira (CEACA).

Existente desde 1988, o CEACA é uma associação sem fins lucrativos que tem como missão preservar e promover as culturas tradicionais, em especial a capoeira. Desde abril de 2000 desenvolve oficinas junto aos/as alunos/as da EMEF Desembargador Amorim Lima. No local, atua como Ponto de Cultura “Amorim Rima/CEACA” desde 2005.

[A formação do dia] foi mais uma vivência pra vocês [jovens] sentirem no corpo como se dá essa relação da cultura tradicional com a escola”, explicou Rodrigo Pança antes das atividades começarem.

Rodrigo também conversou com os/as monitores/as sobre sua trajetória na capoeira. Oriundo da Favela do São Remo, ainda criança começou participar das oficinas de capoeira no projeto “Minha História” ministradas pelos mestres Alcides e Dorival. “A capoeira e o trabalho que os mestres [Alcides e Dorival] desenvolvem, e que eu de certa forma dou continuidade, transformou a minha vida no sentido de sair daquele mundo da minha comunidade, porque se você não se abrir, você acha que o mundo é aquilo que se vive lá”.

 

Festa de Batizado CEACA, 2015: Memória

Paula Cristina Bernardo adicionou um novo vídeo, em 14 de dezembro de 2015 no facebook, que ora publicamos em nosso site.

Na roda de capoeira vemos Mestre Dorival jogando, que foi o seu primeiro padrinho de Capoeira. Registramos aqui o seu depoimento:

“Minha primeira queda, meu primeiro cordão. Vinte quatro anos depois olha ele aí… Muita honra em revê-los mestres Alcides de Lima, Mestre Dorival, Mestre Flavio Sargento Alabê Oliveira, Mestre Brasília, Mestre Kenura, Dinho Nascimento, Edison Luís dos Santos, Mario Costa, Pança, Paulo Almeida Baraúna, dona Maria e outros tantos camaradas. Muito prazer em assistir o batizado dessa nova geração de Capoeiras arrasando. Voltar às raízes é muito bom. Foi um domingo para relembrar os velhos tempos de CEACA, conhecer as novas gerações do Ceaca Butantã, matar saudades do meus mestres Alcides de Lima, Dorival, reencontrar velhos amigos. Foi um domingo de mestres. Parabéns aos formandos do Ceaca Butantã.”

 

 

Projeto “Afrofuturismo – Olho do Berimbau” – Memória Audiovisual 2009

O Projeto “Afrofuturismo – Olho do Berimbau” é o resultado de um trabalho de pesquisa e investigação, intervenção urbana e apresentação audiovisual que tem como foco a história da cultura afro-brasileira na formação da identidade nacional.

“Esta atividade integra o Prêmio Interações Estéticas Residências Artísticas em Pontos de Cultura” e foi publicado no Youtube em 14 de out de 2015.

 

Direção: Daniel Lima

Concepção e Realização: Daniel Lima, Daniela Biancardi

Griô Urbano: Mestre Alcides de Lima

Ponto de Cultura Amorim Rima / CEACA:
Mestre Alcides de Lima
Mestre Dorival dos Santos
Mestre Durval do Côco
Adelvan de Lima (Esquilo)
Fabio Rocha (Soneca)
Herinque Rocha (Sonequinha)
Rodrigo Martins (Pança)
Tomás Pimentel (Tomate)
Direção Musical:
João Nascimento

Participação Musical:
Eliane do Côco
Diana Tatit
Tati Tatit
Katiane Mattge
Athaíde Camará (Marcha Lenta)

Assistente de Direção e Produção: Daniela Biancardi

Gravação: Estúdio 185

Técnico de Som: Lidenberg Farias e Beto Mendonça

Participação Especial:
Alfredo Zito
Athaíde Camará (Marcha Lenta)
CM Durval (Jabá)
Diana Tatit
Eliane do Côco
Emerson Marinheiro (Lagarto)
João Nascimento
Katiane Mattge
Mário Salles (Gaúcho)
Tati Tatit
Roberta Estrela D’Alva
Majoi Gongora
Paulinho Baraúna

Edição: Daniel Lima

Câmeras:
Daniel Lima
Eduardo Barros
Carol Misorelli
Daniel Prado
Eduardo Consoni
Evelyn Cristina
Fabio Rocha

Som Direto:
Camila Siqueira
Ben Charles

Produção Executiva: Carolina Barboza

Alunos:
Ana Carolina da Silva Oliveira
Ariane Luna Barbosa
Bianca Arguelho de Souza
Charles Alves de Almeida
Cristhian Campos Oliveira
Gabriela Barros
Giovanna Appel
Graziela Nascimento Tavares
Igor Alves de Souza
Igor Leme dos Santos
Isabela Appel
Jeffrey Pereira Tobias
João Victor Pereira Franca
Kamixa Pereira Tobias
Karla Karoline Torotrelli
Kayth Cristina Pereira
Ketelheen da Silva
Luan Lira Vieira
Lucas Pereira Tobias
Luciana Costa Alves
Luis Felipe Leme dos Santos
Marcos Paulo Barros
Matheus Pereira Tobias
Mayara dos Santos Oliveira
Nayara Novaes dos Santos
Ramon Ferreira de Oliveira Paiva
Rogerio Luna Barbosa
Tarsila Roque de Lima Pereira
Ynaê Oliveira Bomfim

Agradecimentos:
Ana Elisa Siqueira
As Rutes
Camila Siqueira
Eduardo Barros
Eduardo Benaim
Elisabeth de Lima
Equipe do CEU Butantã
Equipe do Museu da Pessoa
Flavinha (TV Brasil)
Floriana Breyer
Frente 3 de Fevereiro
Leandro Saraiva
Marilia Alvarez e Miguel Salvador
Pais e Mestres da EMEF Desembargador Amorim Lima

Apoio:
CEU Butantã
EMEF Desembargador Amorim Lima
Política do Impossível – PI

Fonte: Youtube

Memórias da Festa Junina no Amorim Lima 2015

A festa junina na escola Amorim Lima acontece todos os anos em meados do mês de junho e atrai jovens, crianças, adultos e idosos da comunidade que organizam e participam da preparação e produção desse evento cultural no Butantã. As prendas são feitas artesanalmente e conta com a ajuda de pais e amigos da escola. Assim, todo mundo trabalha um pouquinho e todo mundo se diverte um montão.

Veja as reportagens sobre a nossa festa em anos anteriores.

No dia 20 de junho, aconteceu a edição 2015 da Festa Junina do Amorim Lima. Jovens participaram de vivências de coco de roda, samba de roda, maculelê, ciranda e outras manifestações culturais ministradas pelos mestres Alcides de Lima, Durval do Coco, Dorival, Paulinho e os professores Valter Luz e Rodrigo Pança, integrantes do Centro de Estudos e Aplicação da Capoeira (CEACA).

Confira a Galeria de Imagens!

3ª edição do Prêmio Nacional de Expressões Culturais Afro-brasileiras

Estão abertas e seguem até 03 de outubro as inscrições para a 3ª edição do Prêmio Nacional de Expressões Culturais Afro-brasileiras. A proposta é incentivar a afirmação da cidadania, a dignidade das expressões de raízes culturais negras, a divulgação, ampliação e reconhecimento de grupos, artistas negros e companhias, além de suas iniciativas.

Com o investimento de 1 milhão e 400 mil, o Prêmio contemplará 25 projetos de todo o país nas modalidades dança, teatro, música e artes visuais de artistas, grupos e companhias que atendem à estética negra nos segmentos dança, artes visuais, teatro e música.

Concebido em 2006, o edital é  resultado de parceria entre a Fundação Cultural Palmares (FCP), o Centro de Apoio ao Desenvolvimento Osvaldo dos Santos e Neves (Cadon) e a Petrobrás. Ele atende a demandas apresentadas durante o II Fórum Nacional de Performance Negra, realizado em Salvador onde, os debates estiveram em torno da falta de elaboração de editais públicos e das linhas de financiamentos, direcionadas exclusivamente para o desenvolvimento de artistas, grupos e companhias que trabalhassem com a produção artística de estética negra.

O edital é ainda, uma possibilidade de valorizar a cultura afrodescendente e suas manifestações contemporâneas, potencializando tanto as ações de grupos já estabelecidos no Brasil, quanto as de grupos emergentes. De acordo com Hilton Cobra, presidente da FCP, o Prêmio é a concretização do comprometimento com os artistas que defendem o valor da cultura negra nos palcos, nas ruas, nas galerias, nas telas de TV e do cinema, nos livros e no imaginário brasileiro.

Para participar – Poderão se inscrever pessoas jurídicas, de natureza cultural, com ou sem fins lucrativos e que trabalhem de forma sistemática com as expressões culturais afro-brasileiras, nos segmentos contemplados pelo edital. Além do prêmio em dinheiro, os proponentes selecionados receberão um troféu, em cerimônia realizada, especialmente para este fim, no Teatro Rival BR, localizado no Rio de Janeiro/RJ.

Os finalistas também terão seus nomes impressos em um catálogo com os trabalhos vencedores de todas as categorias, no intuito de promover maior visibilidade ao artista. Em 2010 o site do Prêmio Afro registrou 33.492 visualizações, com visitantes do Brasil, Alemanha, Itália, Argentina, Japão e França. As duas edições realizadas somam mais de 1.400 inscrições. A meta para 2014 é dobrar os números e atingir os 5.570 municípios do país. Confira!

As Modalidades

Teatro – Montagem ou remontagem de espetáculo teatral, performance, festival, circo, seminários, workshop e oficinas gratuitas;

Dança – Montagem ou remontagem de espetáculo de dança, performance, festival, circo, seminários, workshop e oficinas gratuitas;

Música – Gravação de CD de artistas ou grupos que tenham como base de suas composições, gêneros musicais que emergiram ou foram influenciados pela cultura africana e de seus descendentes, como o samba, o maracatu, o ijexá, o coco, o jongo, o maculelê, o maxixe, a lambada, o carimbó, entre outros.

Artes Visuais – Montagem ou remontagem de exposição de artes gráficas, artes plásticas, arte pública e intervenção urbana, fotografia, videoarte, grafite, escultura, gravura, instalação, design, arte tecnológica, multimídia, arte contemporânea, outras expressões das artes visuais não especificadas anteriormente e oficinas gratuitas.

A noite de premiação está agendada para janeiro de 2015, mas ainda sem data e local confirmados.

Prêmio contemplará grupos, artistas e companhias que atuam com estética negra

Prêmio contemplará grupos, artistas e companhias que atuam com estética negra

Fonte: http://www.palmares.gov.br/?p=34292

Ceaca participa da abertura da Semana Municipal de Capoeira Embu das Artes

De 3 a 9 de agosto acontece a 1ª Semana Municipal de Capoeira Embu das Artes, uma iniciativa da Associação dos Capoeiristas de Embu das Artes (ACEA) e do Conselho Regional de Mestres de Capoeira (CRMC), contando com apoio da Prefeitura de Embu das Artes, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, e do Ponto de Cultura Diversidades Culturais na Capoeira. Em 15 de agosto de 2013, o prefeito Chico Brito assinou a Lei Ordinária 2.681, criando o Dia Municipal da Capoeira (3/8) e a Semana Municipal da Capoeira.

A primeira edição da Semana de Capoeira (já incluída no calendário de datas e eventos da cidade), contará com seminário, palestras, exposição, mostra cultural, oficinas e apresentações culturais, com participação de capoeiristas, diversos mestres de capoeira, instrumentistas, dançarinos. As atividades são abertas ao público e serão realizadas nos centros culturais Mestre Assis do Embu e Pirajuçara/EM Valdelice, na ACEA, na praça do Casa Branca e nas escolas municipais Valdelice, Reynaldo e Delphina.

Três membros do CEACA (Alcides, Valter e Edison) participaram, ontem (3/8, domingo), da abertura do evento. Mestre Alcides fez palestra sobre a capoeira, falou sobre a lei e ação Griôs. Em seguida, houve apresentação de vídeo e “Berimbalada”, com várias pessoas tocando berimbau nos diversos ritmos.

 

Programação

4/8, segunda-feira
Manhã e tarde – Capoeira nas Escolas e aula prática. Apresentação nas escolas municipais Reynaldo Ramos de S. da Gama (rua Narumi Nakayama, 100, Jardim Nossa Senhora de Fátima) e Antônia Augusta Delphina de Moraes (rua Ana Maria, 150, Jardim Santo Eduardo). Palestras do Mestre Joca e Professor Colher.

19 às 21h – Oficina de Maculelê – Puxada de Rede, com o Mestre Azambuja, mostrando diversidade da capoeira e danças folclóricas. Associação dos Capoeiristas (rua Madeira, 80, Jardim Novo Campo Limpo)

5/8, terça-feira
Manhã e tarde – Projeto Capoeira nas Escolas e aula prática. Palestras com Mestre Joca e Mestre Oró. Centro Cultural Parque Pirajuçara – EM Valdelice A. Medeiros Prass (av. Aimará, s/nº)

6/8, quarta-feira
18 às 21h – Apresentação do filme Capoeira Iluminada, seguida de Oficina de Dança Afro, com os professores Faísca e Gugu. Praça da EM Valdelice Prass (av. Aimará, s/nº)

7/8, quinta-feira
18 às 21h – Oficina Capoeira Angola, a mais primitiva e um dos três estilos da capoeira (os outros são regional e contemporânea), seguida de Roda de Capoeira – Dança do Coco, com os oficineiros Mestre Meinha e Cesinha. Centro Cultural Mestre Assis do Embu (largo 21 de Abril, 29)

8/8, sexta-feira
18 às 21h – Aulão de Capoeira e Roda, com Mestre Zai, Professor 7 Vidas e Mestrando Pererê. Oficina de Samba de Roda, com diversas danças e participação do público. Praça do Jardim Casa Branca

9/8, sábado
10 às 15h – Aulão e Roda e Capoeira – encerramento. Praça Manoel Almeida dos Santos/EM Valdelice Prass

A entrada é gratuita e a programação, aberta a todas as idades.