Mestres do saber: multimídia e oralidade

Oficina de Audiovisual – Edição de Imagens e Vídeos – realizada no dia 08 de abril de 2017, das 10h à 15hs, na Escola de Comunicações e Artes (ECA-USP); foi ministrada pelo Prof. Dr. Almir Almas, do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão (CTR), que ofereceu ajuda, suporte e instruções em regime de produção partilhada de saberes. Contou com a participação de Mestre Alcides de Lima, Mestre Dorival dos Santos, Katiane Mattge, professor Valter José de Souza, Rogério dos Santos Ribeiro, Edison Luís dos Santos, Lucas Pereira Tobias, Guilherme da Silva Linhares, Roberta Navas Battistella, Marcela Santana, Felipe Maximo de Brito e Rafael Massaro Imajó.
Apresentamos aqui um dos vídeos produzidos na Oficina de Edição de Audiovisual, de autoria de Felipe Maximo de Brito (Cabelo)

Anúncios

Memórias do CEACA 2016

Coleção completa História Geral da África disponível em pdf

Em 1964, a Unesco dava início a uma tarefa sem precedentes: contar a história da África a partir da perspectiva dos próprios africanos. Mostrar ao mundo, por exemplo, que diversas técnicas e tecnologias hoje utilizadas são originárias do continente, bem como provar que a região era constituída por sociedades organizadas, e não por tribos, como se costuma pensar. Quase 30 anos depois, 350 cientistas coordenados por um comitê formado por 39 especialistas, dois terços deles africanos, completaram o desafio de reconstruir a historiografia africana livre de estereótipos e do olhar estrangeiro. Estavam completas as quase dez mil páginas dos oito volumes da Coleção História Geral da África, editada em inglês, francês e árabe entres as décadas de 1980 e 1990.

Além de apresentar uma visão de dentro do continente, a obra cumpre a função de mostrar à sociedade que a história africana não se resume ao tráfico de escravos e à pobreza. Para disseminar entre a população brasileira esse novo olhar sobre o continente, a Unesco no Brasil, em parceria com a Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do Ministério da Educação (Secad/MEC) e a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), viabilizaram a edição completa em português da Coleção, considerada até hoje a principal obra de referência sobre o assunto. O objetivo da iniciativa é preencher uma lacuna na formação brasileira a respeito do legado do continente para a própria identidade nacional.

A edição completa da coleção já foi publicada em árabe, inglês e francês; e sua versão condensada está editada em inglês, francês e em várias outras línguas, incluindo hausa, peul e swahili. Um dos projetos editoriais mais importantes da Unesco nos últimos trinta anos, a coleção História Geral da África é um grande marco no processo de reconhecimento do patrimônio cultural da África; permite compreender o desenvolvimento histórico dos povos africanos e sua relação com outras civilizações a partir de uma visão panorâmica, diacrônica e objetiva, obtida de dentro do continente. A coleção foi produzida por mais de 350 especialistas das mais variadas áreas do conhecimento, sob a direção de um Comitê Científico Internacional formado por 39 intelectuais, dos quais dois terços eram africanos.

História Geral da África em 8 volumes - UNESCO

História Geral da África em 8 volumes – UNESCO

* DOWNLOAD GRATUITO

– Volume I: Metodologia e Pré-História da África

<http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190249POR.pdf> (PDF, 8.8 Mb)

– Volume II: África Antiga

<http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190250POR.pdf> (PDF, 11.5 Mb)

– Volume III: África do século VII ao XI

<http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190251POR.pdf> (PDF, 9.6 Mb)

– Volume IV: África do século XII ao XVI

<http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190252POR.pdf> (PDF, 9.3 Mb)

– Volume V: África do século XVI ao XVIII

<http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190253POR.pdf> (PDF, 18.2 Mb)

– Volume VI: África do século XIX à década de 1880

<http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190254POR.pdf> (PDF, 10.3 Mb)

– Volume VII: África sob dominação colonial, 1880-1935

<http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190255POR.pdf> (PDF, 9.6 Mb)

– Volume VIII: África desde 1935

<http://unesdoc.unesco.org/images/0019/001902/190256POR.pdf> (PDF, 9.9 Mb)

 

Fonte: http://www.unesco.org/pt

 

Descolonizando nossas almas, debate acadêmico

A proposta deste texto é de um diálogo entre os saberes acadêmicos e os orais; entre os saberes tradicionais e os eruditos; é uma iniciativa para se pensar a descolonização das nossas almas. Foi proposto e escrito de maneira partilhada por um Mestre da tradição oral, Alcides de Lima Tserewaptu, e por uma jovem pesquisadora, Roberta Navas. Buscamos refletir brevemente sobre as condições dos afrodescendentes no contexto brasileiro, com base em uma abordagem epistemológica – que perpassa por perspectivas históricas, educacionais, sociais e culturais.
Nos conhecemos em dezembro de 2012, no interior das vivências do curso de extensão (1), ministrado por mestres da cultura oral, professores e pesquisadores acadêmicos, intitulado Pedagogia Griô e Produção Partilhada do Conhecimento (FFLCH – USP), no qual experimentamos, conhecemos e refletimos sobre propostas e novas abordagens conceituais do universo das culturais orais do Brasil e das possibilidades de uma maior socialização destes saberes no âmbito do ensino em geral. É mais que sabido que a oralidade percorre quase todos os espaços da cultura letrada, ou seja, é base para a transmissão de conhecimento, mas foi continuamente posta à prova e não-legitimada em ambientes institucionais, tais como a Universidade.
Em sociedades orais, “se reconhece a fala não apenas como um meio de comunicação diária, mas também como um meio de preservação da sabedoria dos ancestrais, veneradas no que poderíamos chamar elocuções-chave, isto é, tradição oral”. Neste sentido, o conceito de tradição oral pode ser definido como “de fato, um testemunho transmitido verbalmente de uma geração para outra” (VANSINA, 2010). No continente africano, em determinadas regiões como a do Mali, as figuras que representavam esta transmissão eram os mestres da tradição oral e griots, que podem ser divididos em griots músicos, griots embaixadores, griots  louvadores e genealogistas.
Para nós, o termo griô simboliza uma forte expressão tanto da valorização dos saberes orais oriundos dos recônditos rurais e das cidades do Brasil, quanto da valorização do encontro entre a brasilidade e o mundo diverso que a compôs. Assim, o saber do griô está calcado na tradição oral, aqui definida por um saber que é transmitido de geração em geração, e que reinaugura a cada novo nascimento a reprodução de si própria, e do contato com o outro.
De acordo com Mestre Alcides, os griôs e mestres da tradição oral “são todos aqueles e aquelas que detêm um saber que vem sendo transmitido por várias gerações, secular ou milenar através da oralidade, e se reconhece e é reconhecido/a por sua comunidade”. Ou seja, a construção se materializa por meio das histórias do seu povo no interior da rede de histórias das comunidades. Nesse universo, não podemos enfatizar uma etnia ou uma cultura específicas, pois as suas singularidades só adquiriram importância na diversidade do diálogo com outras culturas.
Por um lado, a sabedoria do griô reconhece que sua existência só foi possível em consequência dos antepassados que a constituíram, por meio de um movimento dinâmico de culturas em contínua formação – que chegaram no Brasil e têm construído seus modos de transmissão pela oralidade e seu caminho de entregar ao universo de sua comunidade.  Por outro, o saber do griô é uma forma de definirmos o que pode ser familiar, e é por meio das histórias dos mestres que os objetos da cultura adquirem vibração. Tambores, redes, tapetes, vasilhas, muzuás, artesanatos etc., adquirem vida graças às histórias (re)contadas pelos Mestres. Este saber oral tem seu grande fundamento na intenção de compartilhar vivências, que podem estar inscritas nos rituais religiosos, nas danças, na capoeira (BAIRON, 2012).
Nas sociedades tradicionais seculares e/ou milenares do continente africano, as culturas não são constituídas sob divisões, ou seja, em partes: elas são um todo. Já em sociedades ocidentais, a constituição cultural se dá de maneira mais desconectada. Acreditamos que no contexto ocidental, isso possa ter ocorrido devido a reelaboração e junção das diferentes culturas. Até um certo ponto, por necessidade; por outro lado, por ser uma estratégia das culturas “dominantes” para um melhor e maior controle, pois no acontecer dessa divisão, ocorre uma disputa para que se legitime qual delas é a mais qualificada, a mais “original”: a verdadeira.
Podemos citar como exemplo, o que aconteceu com duas grandes maltas de capoeira na cidade do Rio de Janeiro no final do século XIX, Guaiamuns e Nagôas. A primeira se dizia originalmente brasileira e defendia o partido republicano, a segunda se dizia originalmente africana e defendia o movimento monarquista.
As culturas tradicionais são construídas, elaboradas, atualizadas e transmitidas por suas comunidades, não tendo dono. Já o que vemos na contemporaneidade é a apropriação das culturas tradicionais por parte dos grupos dominantes, atendendo exatamente a proposta destes grupos, pois desarticulam a força da cultura no seu sentido de resistência social. Isso também se aplica à capoeira, uma vez que na discussão acerca da capoeira angola (mãe) – africana, negra; e a capoeira regional, brasileira, branca é necessário reconhecer que no passado, não existiam essas duas nomenclaturas, era somente capoeira. Se pegarmos a etimologia da palavra capoeira, esta não abriga em seu nome a origem africana, mas sim indígena, kaá-pu‘era, (Tupi) – o mato ralo ou cortado.
O que buscamos com a descolonização das nossas almas? O encontro para o reconhecimento, para o diálogo, para o respeito unido a um orgulho incondicional da nossa formação cultural, que abriga suas diversidades nas raízes indígenas, africanas, europeias. Por outro lado, nesta descolonização deve haver espaço para uma ressignificação da historicidade, na qual se discuta o processo genocida de colonização, que ainda persiste em determinar os valores dos saberes e, por consequência, os valores das nossas vidas.

Alcides de LimaMestre Alcides Tserewaptu – Mestre de capoeira e de tradição oral, licenciado pleno em Educação Física e Pedagogia, com especialização em Educação Física Infantil e Ginástica de Manutenção.

Roberta Navas Battistella Relações Públicas, colaboradora da Escola de Governo e mestranda do programa de pós-graduação interdisciplinar Humanidades, Direitos e Outras Legitimidades pela FFLCH – USP.

Nota

(1) Apresentação audiovisual do curso disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=8h_fALXNcWI Notícia publicada no portal UNIVESP sobre o curso disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=4_hmdlBKWP8 . Acesso em: 13.07.2015.

Bibliografia

BAIRON, Sérgio. Livre docente da USP fala sobre a Lei Griô. 2012. Disponível em: http://www.acaogrio.org.br/blog/2012/11/13/sergio-bairon-livre-docente-da-usp-fala-sobre-a-lei-grio/ . Acesso em: 14.06.2015.

BAIRON, Sérgio, BATTISTELLA, Roberta N., LAZANEO, Caio. Fundamentos da produção partilhada do conhecimento e o saber do Mestre Griô. Revista Diversitas, n. 3. USP, São Paulo: 2015, pp. 247-265.

CEACA – CENTRO DE ESTUDOS E APLICAÇÃO DA CAPOEIRA. Capoeira & Educação: coletânea de estudos e práticas. / Mestre Alcides de Lima (Org.). São Paulo: CEACA, 2013.

COSTA, A. C. F. ; LIMA, M. A. . Entrevista com Mestre Alcides de Lima. Revista Diversitas, v. 2, p. 385-396, 2014.

HAMPÂTÉ BÂ, Amadou. A tradição viva. In: KI-ZERBO, J. (coord.) Metodologia e Pré-História da África, História Geral da África. Brasília: Unesco, 2010. v.1. p.193.

LIMA, Alcides D. Capoeira & Educação: Coletânea de Estudos e Práticas. São Paulo:  CEACA, 2013.

SOARES, Carlos Eugênio Líbano. A Negregada Instituição: os capoeiras na Corte Imperial 1808-1850,  Unicamp, 1993.

VANSINA, Jan. A tradição oral e sua metodologia. In: KI-ZERBO, J.(coord.) Metodologia e Pré-História da África, História Geral da África. Brasília: UNESCO, 2010.

Fonte: http://www.unesp.br/portal#!/debate-academico/descolonizando-nossas-almas/, publicado em 15/07/2015, site UNESP.

Dicas de literatura afro-brasileira e africana

Conheça mais sobre essa cultura tão presente no nosso imaginário

Literaturas que valorizam a diversidade étnica e cultural afro-brasileira e africana são uma ótima alternativa para abordar os conteúdos exigidos pela lei 10.639, que obriga o ensino da “História e Cultura afro-brasileira e africana” nas escolas de Ensino Fundamental e Médio das redes pública e privada de todo Brasil.

Veja 14 dicas de livros recomendados para pais, filhos e professores sobre o tema. Confira também o índice de autores negros do Literafro, portal de estudos de literatura afro-brasileira da Universidade Federal de Minas Gerais.

Para ler, clique nos itens abaixo:

1. Menina Bonita do Laço de Fita – Ana Maria Machado
A autora coloca em cena, através da história de um coelho branco que se apaixona por uma menina negra, alguns assuntos muito debatidos nos dias de hoje, como a autoestima das crianças negras e a igualdade racial.
2. Luana, A Menina Que Viu O Brasil Neném – Oswaldo Faustino, Arthur Garcia e Aroldo Macedo
O livro conta a história de Luana, uma menina de 8 anos que adora lutar capoeira, e a historia do descobrimento do Brasil. Ao lado de seu berimbau mágico, ela leva o leitor a outras épocas e lugares e mostra o quão rica é a cultura brasileira, além da importância das diferentes etnias existentes por aqui.
3. O Menino Marrom – Ziraldo
O Menino Marrom conta a historia da amizade entre dois meninos, um negro e um branco. Através da convivência aventureira dessas crianças ao longo de suas vidas, o autor pontua as diferenças humanas, realçando os preconceitos em alguns momentos.
4. Lendas da África – Júlio Emílio Brás
O livro mostra fábulas tipicamente africanas para leitores de todo mundo. Nas histórias, o autor mostra um pouco do folclore africano, além de passar valores do “tempo em que os animais ainda falavam” para as crianças.
5. Terra Sonâmbula – Mia Couto
Primeiro livro do autor africano, Terra Sonâmbula foi considerado um dos doze melhores romances do continente no século 20. Numa estória emocionante sobre o encontro de um menino sem memória e um velhinho meio perdido pelo mundo, Mia Couto mistura símbolos tradicionais da cultura e da história moçambicana.
6. Meu avô um escriba – Oscar Guelli
A história se passa na África, mais precisamente no Egito. O pequeno Tatu é neto de um escriba. A convivência com o avô permitirá ao menino aprender cálculos, a ter contato com tradições mais antigas de seu país e a se preparar para também ser um escriba um dia.
7. O Cabelo de Lelê – Valéria Belém
Lelê é uma linda menininha negra, que não gosta do seu cabelo cheio de cachinhos. Um dia, através de um fantástico livro, começa a entender melhor a origem de seu cabelo e, assim, passa a valorizar o seu tipo de beleza.
8. A varanda Do Frangipani – Mia Couto
O romance policial moçambicano é marcado por palavras criadas pelo próprio autor, nascido no país onde se passa a trama. A história conta sobre o violento colonialismo em Moçambique e a superação do país a partir dessa cicatriz histórica.
9. Bia na África – Ricardo Dregher
O livro é parte da coleção “Viagens de Bia”. Nessa estória, Bia viaja por diferentes países da África, como Egito, Quênia e Angola. Na aventura, a garotinha conhece, entre outras curiosidades, a história do povo árabe e dos nossos antepassados negros, que vieram como escravos da África para o Brasil há muitos anos.
10. Avódezanove e o segredo do soviético – Ondjaki
Em Luanda, capital da Angola, África, as obras de um mausoléu realizadas por soldados soviéticos ameaçam desalojar morados da PraiaDoBispo, bairro da região. As crianças do bairro percebem as mudanças com olhares desconfiados. Talvez elas sejam as primeiras a perceber que a presença dos soldados soviéticos significa mais do que uma simples reforma espacial.
11. Tudo Bem Ser Diferente – Todd Parr
A obra ensina as crianças a cultivar a paz e os bons sentimentos. O autor lida com as diferenças entre as pessoas de uma maneira divertida e simples, abordando assuntos que deixam os adultos sem resposta, como adoção, separação de pais, deficiências físicas e preconceitos raciais.
12. Diversidade – Tatiana Belinky
O livro mostra, através de versos, porque é importante sermos todos diferentes. A autora fala que não basta reconhecer que as pessoas não são iguais, é preciso saber respeitar as diferenças.
13. Num tronco de Iroko vi a Iúna cantar – Erika Balbino
Acompanhando as aventuras dos irmãos Cosme, Damião e Doum e seus amigos, os leitores entram em uma jornada que revela a relação do corpo com a música e aproxima as crianças da capoeira por meio de figuras lendárias das religiões de matriz africana. Além do enredo e das ilustrações do grafiteiro Alexandre Keto, um CD com a narração da história pela própria autora e cheio de cantos de capoeira e de Umbanda valorizam ainda mais essa luta, que é apresentada como dança, arte e jogo também.
14. Amanhecer Esmeralda – Ferréz
O livro conta a história da garota Manhã, negra, pobre e com grandes responsabilidades mesmo com tão pouca idade. Manhã tem sua vida transformada ao ganhar um vestido esmeralda de seu professor, que faz com que ela mude a forma como se vê e como vê o mundo ao seu redor.

Fonte: http://educarparacrescer.abril.com.br/leitura/12-dicas-literatura-afro-brasileira-africana-729395.shtml

CEACA participa da Festa da Cultura dia 18, às 14 hs.

A FESTA DA CULTURA 2014 – com tema Povos Originários do Brasil – acontece no dia 18 de outubro (sábado) a partir das 14h. Nesse horário o CEACA fará a sua apresentação.

Lembramos que os preparativos da festa são tão importantes quanto a festa em si.

E todos os pais, alunos e amigos da escola estão convidados a participar. Quais serão as atividades?

1) Oficina de CONSTRUÇÃO DE MÓVEIS com PALETS

Dia 11 de outubro, sábado, das 8h30 às 16h, pais e alunos poderão aprender a fazer móveis com Palets (aquelas madeiras descartadas por grandes armazéns como o Ceasa). Veja na foto abaixo o que é possível fazer com madeira que, teoricamente, iria para o lixo. (Tem mais foto lááá no final do post.

2) Dia do Voluntariado TELEFÔNICA

Na sexta feria dia 17/10 , das 8hoo às 16h – voluntários da empresa para realizar diversas reformas Telefônica estarão na escola para atuar em melhorias no prédio. Neste dia só irão para a escola os alunos de 1° a 3° anos que terão atividades recreativas. Pais que puderem vir serão bem-vindos! Inscreva-se diretamente com a diretora Ana Elisa. As reformas previstas para acontecer são: pintura das linhas das quadras esportivas,  reforma e arrumação do parquinho das crianças, da horta, de várias partes do jardim, dos banheiros, pintura de jogos de amarelinha no chão, barreamento das paredes da OPY, catalogação final dos livros da Biblioteca. Nossa escola vai ficar incrível!
3) MUTIRÃO DA FESTA DA CULTURA

Na sexta-feira, dia 17 a partir das 18h00, e no sábado a partir das 8h00, a equipe responsável pela organização precisará MUITO de ajuda para montar a FESTA DA CULTURA – no Amorim Lima.

Por favor, apareça, ajude… Colabore com este trabalho coletivo. Faz parte do aprendizado – no Amorim é assim: fazemos tudo junto. Só existe crescimento e aprendizado se caminharmos de mãos dadas.

 

Fonte: Publicado em por mcarini

Ceaca participa da abertura da Semana Municipal de Capoeira Embu das Artes

De 3 a 9 de agosto acontece a 1ª Semana Municipal de Capoeira Embu das Artes, uma iniciativa da Associação dos Capoeiristas de Embu das Artes (ACEA) e do Conselho Regional de Mestres de Capoeira (CRMC), contando com apoio da Prefeitura de Embu das Artes, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, e do Ponto de Cultura Diversidades Culturais na Capoeira. Em 15 de agosto de 2013, o prefeito Chico Brito assinou a Lei Ordinária 2.681, criando o Dia Municipal da Capoeira (3/8) e a Semana Municipal da Capoeira.

A primeira edição da Semana de Capoeira (já incluída no calendário de datas e eventos da cidade), contará com seminário, palestras, exposição, mostra cultural, oficinas e apresentações culturais, com participação de capoeiristas, diversos mestres de capoeira, instrumentistas, dançarinos. As atividades são abertas ao público e serão realizadas nos centros culturais Mestre Assis do Embu e Pirajuçara/EM Valdelice, na ACEA, na praça do Casa Branca e nas escolas municipais Valdelice, Reynaldo e Delphina.

Três membros do CEACA (Alcides, Valter e Edison) participaram, ontem (3/8, domingo), da abertura do evento. Mestre Alcides fez palestra sobre a capoeira, falou sobre a lei e ação Griôs. Em seguida, houve apresentação de vídeo e “Berimbalada”, com várias pessoas tocando berimbau nos diversos ritmos.

 

Programação

4/8, segunda-feira
Manhã e tarde – Capoeira nas Escolas e aula prática. Apresentação nas escolas municipais Reynaldo Ramos de S. da Gama (rua Narumi Nakayama, 100, Jardim Nossa Senhora de Fátima) e Antônia Augusta Delphina de Moraes (rua Ana Maria, 150, Jardim Santo Eduardo). Palestras do Mestre Joca e Professor Colher.

19 às 21h – Oficina de Maculelê – Puxada de Rede, com o Mestre Azambuja, mostrando diversidade da capoeira e danças folclóricas. Associação dos Capoeiristas (rua Madeira, 80, Jardim Novo Campo Limpo)

5/8, terça-feira
Manhã e tarde – Projeto Capoeira nas Escolas e aula prática. Palestras com Mestre Joca e Mestre Oró. Centro Cultural Parque Pirajuçara – EM Valdelice A. Medeiros Prass (av. Aimará, s/nº)

6/8, quarta-feira
18 às 21h – Apresentação do filme Capoeira Iluminada, seguida de Oficina de Dança Afro, com os professores Faísca e Gugu. Praça da EM Valdelice Prass (av. Aimará, s/nº)

7/8, quinta-feira
18 às 21h – Oficina Capoeira Angola, a mais primitiva e um dos três estilos da capoeira (os outros são regional e contemporânea), seguida de Roda de Capoeira – Dança do Coco, com os oficineiros Mestre Meinha e Cesinha. Centro Cultural Mestre Assis do Embu (largo 21 de Abril, 29)

8/8, sexta-feira
18 às 21h – Aulão de Capoeira e Roda, com Mestre Zai, Professor 7 Vidas e Mestrando Pererê. Oficina de Samba de Roda, com diversas danças e participação do público. Praça do Jardim Casa Branca

9/8, sábado
10 às 15h – Aulão e Roda e Capoeira – encerramento. Praça Manoel Almeida dos Santos/EM Valdelice Prass

A entrada é gratuita e a programação, aberta a todas as idades.