Durval do Coco

Mestre Durval do Coco por ele mesmo

Mestre Durval é cantador do Coco. Aqui ele nos conta um pouco de sua história e das circunstâncias que o levaram a conhecer Mestre Alcides de Lima e a fazer parte do Grupo CEACA. A sua apresentação ele a faz conversando e cantando um coco feito de improviso:

“Eu Durval velho quando canto,

O mundo todo estremece,

Sobe a Terra, baixa a Lua,

O claro desaparece.

Sobe um vulcão pela Terra,

E o cantador nele desce.”,

Ele mesmo é quem responde:

“É o que você nunca viu,

Durval velho aperreado,

Trancando a porta do vento,

Deixando o mundo parado,

Tirando o eixo da Lua,

E deixando o Sol pendurado.”

 

Um pouco de sua história

Nasci em uma cidade de Pernambuco chamada Garanhuns. Aprendi o coco de improviso, escutando minha mãe e suas amigas cantando, mas eu queria cantar diferente, sem o sotaque que elas tinham. Isso que tenho de gostar de cantar já vem dessa tradição familiar. Quando tinha uns 17 anos me mudei para Olinda, cidade grande de Pernambuco, tudo diferente da cidade pequena onde nasci. Fui orador de uma associação de um clube de dominó, eu falava bem, tinha um discurso muito bom, quando ia representar o clube eu aceitava as falas dos membros dos outros clubes, não podia ser desrespeitoso com as outras pessoas.

Me chamo Durval Antonio,

Sou neto de Antonio Monteiro,

Arrojo de tempestade,

Trovão do mês de janeiro,

Faísca de fogo certeiro,

E assombro do mundo inteiro.

Mestre Durval e o Ceaca

Conheci Mestre Alcides e o CEACA por meio de um grande amigo meu que é o Valter (Valtão). Ele sempre me dizia que eu tinha que conhecer esse mestre, que gosta de capoeira e macumbas, referindo-se à sua mãe dona Selma que é de terreiro, e ele diz não acreditar nessas coisas. Valter Luís da Silva é conhecido do Mestre Alcides, companheiro de viagens de pesquisas no Instituto Oceanográfico da USP, trabalhavam no Departamento de Oceano­grafia Química, e sempre viajavam nos barcos de pesquisas do Oceanográfico, inclusive no Programa Antártico Brasileiro. Foi Valter então que me levou na casa de mestre Alcides em um dia de festa. Eu fiquei envergonhado porque não sabia que ele iria me levar lá sem me falar nada, de surpresa. Eu sou muito grato ao mestre Alcides, pois desde que virei membro do CEACA tive muitas alegrias e viagens para vários lugares do Brasil.

Durval do Coco participa do 14o. batizado na Escola Amorim Lima.

Durval do Coco participa do 14o. batizado na Escola Amorim Lima, 2013.

Assista ao depoimento de Mestre Durval do Coco para o Museu da Pessoa.

Biografia

Durval Antônio da Silva nasceu na cidade de Garanhuns, 17 de março de 1937. Tem 70 anos, sendo que 50 dedicados ao coco, tempo de formação autônoma baseada na observação dos coqueiros mais velhos que transitavam e duelavam os seus cocos no cais da cidade de Recife. Saiu de sua terra natal, Garanhuns, no sertão do estado, aos 16 anos pela necessidade de trabalho e foi para Recife. Participando das festas de Coco na cidade de Recife aprendeu o instrumento que mais lhe agradava na orquestra de coco, o ganzá, que utilizou para acompanhar os versos que começava a fazer, mas não queria fazer igual queria fazer melhor que os outros coquistas.

O coco que Seu. Durval e a sua família tocam tem como característica o improviso, é uma manifestação popular surgida em festas abertas que sugere a espontaneidade do povo brasileiro, a ludicidade e a espiritualidade reservada ao toque dos instrumentos da orquestra que é formada pelo atabaque, o ganzá e os pontos versados. Considera-se coco raiz aquele que se comunica por meio da expressão e transmissão de conhecimentos através da musicalidade, expressão verbal e corporal.

A musicalidade se desenvolve numa linha melódica, representando um lamento, uma louvação, ou uma saudação, os versos são feitos dentro de uma métrica especifica que dá as características do coco de improviso, onde invariavelmente é tratado um tema recorrente de aviso, uma sabedoria popular ou expressão de sentimentos enviesada pelo coro que realiza a chamada para o próximo verso, ou ponto de coco.

Saiba mais sobre 14o. batizado de Capoeira que aconteceu em 2013.

https://capoeiraceaca.wordpress.com/2014/01/28/14o-batizado-de-capoeira-ponto-de-cultura-amorim-rimaceaca-49o-geral/

3 comentários sobre “Durval do Coco

  1. Mestre Durval do Coco, é uma figura que merece muito respeito, mas as pessoas ainda estão confusas com a grande diversidade cultural que nosso país tem, nós ´precisamos nos libertar nossos espíritos,nossa consciência e o nosso subconsciente, quando Mestre Durval,vai à um evento de capoeira,pega seu ganzá e solta aquela foz forte, poucas pessoas atentam para o que está acontecendo,a liberdade integral virá,quando aceitarmos todas essas diversidades nas nossas mentes, e deixar de achar que só o meu é bom,

    Curtir

  2. Pingback: Grupo de estudos do CEACA se reúne para produção compartilhada do site | Expresse-se com Consciência- Faça Capoeira!

  3. Pingback: Sr. Durval do Coco cantou na Festa da Cultura do Amorim Lima | C E A C A

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s