Todos os dias…

 

ANTÔNIO PARREIRAS
Zumbi, 1927.
Óleo sobre tela.
Com o trabalho nas mãos.
Todos os dias são de luta.
“Capoeira resistência ancestral”

 

 

 

Anúncios

Mestres e Capoeiras do Brasil: uni-vos em luto a Moa do Catendê

“Moa ponderou que era negro e que o cara ainda era muito jovem e não sabia nada da história. Moa disse ainda que ele tinha consciência do quanto o negro lutou para chegar onde chegou e o quanto Bolsonaro poderia tirar essas conquistas se chegasse ao poder“. (Reginaldo Rosário, irmão de Moa)

A polarização social das eleições tem causado muitas brigas nas redes sociais, nos grupos de amigos e família. Uma eventual descontração no bar gerou um grande conflitou que levou à morte do Mestre capoeirista. Ele estava com seu irmão que, ao tentar separar, também foi atingido com um golpe de faca no braço direito, mas foi socorrido e permanece internado e sedado.

Mestre Moa do Katendê foi assassinado com 12 facadas na noite em que se encerrou o primeiro turno das eleições no Brasil, em 7 de outubro de 2018. Ele e o seu irmão foram esfaqueados em um bar no Dique Pequeno em Salvador, bairro em que residia, após discussão sobre política. Segundo os relatos, um morador novo do bairro, defensor do Bolsonaro não teria gostado da posição contrária do mestre, foi até sua casa e buscou uma faca. Katendê foi agredido e seu irmão que o acudiu também, mas Moa não sobreviveu. O irmão Germínio do Amor Divino, 51, recebeu uma facada no braço direito e foi socorrido para o Hospital Geral do Estado (HGE). Na ocorrência do posto policial do HGE, testemunhas identificaram o autor das facadas como Paulo Sérgio Ferreira, que está preso. Segundo o irmão das vítimas, Reginaldo Rosário, 68, Moa estava bebendo com ele e Germínio, no Bar do João, quando o autor da facada começou a defender ideias do candidato do PSL e ouviu críticas do capoeirista. “Moa ponderou que era negro e que o cara ainda era muito jovem e não sabia nada da história. Moa disse ainda que ele tinha consciência do quanto o negro lutou para chegar onde chegou e o quanto Bolsonaro poderia tirar essas conquistas se chegasse ao poder, disse Reginaldo. Ainda de acordo com o irmão das vítimas, após a discussão acalorada um dos irmãos pediu que Moa ficasse calmo; no entanto, após a situação ter sido contornada, o autor da facada teria ido em casa, retornou com uma peixeira e atacou a vítima nas costas. “Foi tudo muito rápido”, disse. “Moa, que sempre foi defensor das classes menos favorecidas, é mestre tradicional da Capoeira Angola da Bahia e do Afoxé (um dos fundadores dos Filhos de Gandhi) e uma das melhores pessoas que já conheci. A Capoeira perde um grande mestre e eu perco vários amigos”. Digo “vários” porque ver um capoeirista apoiar um político declaradamente racista, pra mim, é pior que cair de cara no chão após uma rasteira alta. É preciso entender a história da arte. É preciso saber que pouco mudou e que, agora, o racismo saiu do armário e não tem vergonha de destilar o seu ódio. Por trás de interesses escusos, aí está a Casa Grande Senzala se armando novamente. Que a morte do mestre não seja em vão! Vamos fazer o berimbau dizer a que viemos.

À luta! E viva “seu” Moa, agora mártir da nossa batalha.

Breve histórico

Môa do Katendê nasceu em Salvador (BA) e é um artista ligado às tradições afro-baianas. Compositor, dançarino, capoeirista, ogã-percussionista, artesão e educador, descobriu suas raízes aos oito anos de idade no “ILÊ AXÉ OMIN BAIN”, terreiro de sua tia e incentivadora. Em 1977, consagrou-se campeão do Festival da Canção Ilê Aiyê, o primeiro bloco afro do Brasil, e em Maio de 1978 fundou o “Afoxé “Badauê”, que desfilou pela primeira vez no ano seguinte e tornou-se campeão do carnaval na categoria de afoxé. Em 1995 com a união de colegas e admiradores da cultura afro-brasileira, surge o grupo de afoxé “Amigos de Katendê”. Foi membro da Associação Brasileira de Capoeira Angola, discípulo de mestre Bobó de Pastinha.

I Ciclo de Conferências em Artes e Educação: com Mestre Alcides e Mariposa

No dia 20 de setembro (quinta-feira), acontecerá o quarto encontro do “I Ciclo de Conferências em Artes e Educação: a lei 11.645/08 – Perspectivas Indígenas e Afro-brasileiras”, com a participação de Maria José Menezes (Núcleo da Consciência Negra da USP), Allan da Rosa (FE/USP), Érica Mariposa (EMEF Desembargador Amorim Lima) e Mestre Alcides de Lima (CEACA/SP) discutindo o tema “Pedagoginga e as rodas na escola”.

A entrada é franca, com retirada de senha a partir das 18h30. O auditório Lupe Cotrim está localizado no prédio central da ECA/USP (avenida Prof. Lúcio Martins Rodrigues, 443 – Cidade Universitária).

O evento será transmitido ao vivo pelo IPTV-USP. Link para acesso: https://iptv.usp.br/portal/transmission.action?idItem=39233

— com Maria José Menezes.

Como se ensina:

A tradição oral tem os seus métodos o acolhimento, a escuta, a transmissão, a troca, o sentir. Ela não morre, permanece no interior daquele que é tocado e ressoa num som ancestral nos ouvidos dos próximos…

 

 

Capoeira resistência ancestral

Coletivo feminino para tocar berimbau…tem que ter berimbau.

E as minas foram para cima… construir o seu próprio berimbau com as suas escolhas, com o seu axé e no seu tempo.

Tempo que a gente cria para desfrutar mais da vida, da música, do construir e das amizades. Agora, tempo gingado na cadência do berimbau.

Agradecendo especialmente ao Prof Tuca e Isla, da Casa de Zungu Capoeira Angola, pelo tempo de ensinar e compartilhar.

Berimbau mulher resistência ancestral.

30 ANOS: O CEACA SOMOS TODOS NÓS!

O Centro de Estudos e Aplicação da Capoeira (CEACA) é uma associação sem fins lucrativos que promove a Capoeira como um bem que deve ser compartilhado e investigado. Tem como missão preservar e promover as culturas de tradição oral, em especial a capoeira, compartilhando dos seus benefícios sociais para a formação de seres humanos integrados com a sua realidade. Foi fundada em 20 de abril de 1988, registrada com CNPJ 06.116.648/0001-04 (02.02.2004), sediada à época na sala 51, bloco “B” do CRUSP, onde já estávamos desde início dos anos de 1990.

Mas, essa história não começou aí! A semente foi lançada no início dos anos de 1970 com o Mestre Eli Pimenta (aluno da FFLCH, Ciências Sociais) e Mestre Freguesia, baiano de Itabuna, ambos formados pelo Grupo Cordão de Ouro do Mestre Suassuna. O curso era frequentado por alunos, professores e funcionários da USP, na piscina do CRUSP, chamada “Aquário”, onde Mestre Alcides iniciou sua volta ao mundo da capoeira.

Em 1988, os mestres Alcides de Lima Tserewaptu e Dorival dos Santos elaboraram o Estatuto Social do CEACA e o projeto denominado “Expresse-se com Consciência: Faça Capoeira”, com o objetivo de trabalhar a capoeira em seus aspectos culturais, desenvolvendo no indivíduo aptidões para as artes em geral, interagindo com múltiplos saberes: cultura, ancestralidade, teatro, música, danças, literatura oral e provocando o diálogo entre as culturas formal e oral em todos os espaços.

A formação institucional do CEACA conta com: presidente, vice-presidente, tesoureiro, secretário, diretor e associados. As oficinas de capoeira do CEACA são ministradas pelos seus membros já habilitados e/ou em formação, Mestres, Contra Mestres, Professores e Estagiários (que já possuem graduação de acordo com a função).

A capoeira e a cultura produzem transformação na vida de cada criança, jovem e adulto: o que fica visível no corpo, nos olhos, na maneira de se colocar individual e coletivamente. Alguns encontram na capoeira um caminho de vida e se tornam professores também. Desde a sua fundação, o CEACA já formou centenas de crianças, jovens e adultos.

A partir de abril de 2000, as atividades do CEACA passaram a se concentrar majoritariamente na EMEF Des. Amorim Lima, com o Projeto Culturas Populares na escola que envolvia crianças do 1° ao 8° anos extraclasse e recebia fomento do Crer pra Ver, Fundação Abrinq, Natura e Camargo Corrêa. A partir de 2005, o CEACA tomou grande impulso sendo selecionado pelo Edital Pontos do MinC com duração de três anos; em 2009, novamente fomos selecionados pelo mesmo Edital com duração até 2013, graças ao qual pudemos trazer a capoeira, as Culturas Populares e Tradicionais para o currículo escolar, com Mestre Durval do Coco, as cirandas, tores, coco de roda, aboio e repentes. Esses editais somaram no período R$ 360.000,00 em investimento para as oficinas, aquisição de kit multimídia, de materiais didáticos, instrumentos da capoeira etc.

Reconhecido no Brasil e no exterior, e tantas vezes premiado, o CEACA hoje infelizmente não dispõe mais de verbas, enquanto o trabalho com as crianças e adolescentes não pode ser descontinuado, precisa de sustentação segura e consistente para seguir em frente. Com o término dos programas do MinC em 2013, reduzimos a carga horária na escola a fim de poder dar continuidade aos trabalhos, que são hoje: os 1° anos da manhã e tarde com 2 professores em cada período, e mais 2 grupos extraclasse, com mais 2 mestres, professores e estagiários. Todos esses trabalhos estão sendo realizados voluntariamente pelos membros do CEACA!

20 de Abril de 2018

Alcides de Lima Tserewaptu (Presidente)

Edison Luís dos Santos (Colaborador)

Conheça mais, visitando as páginas do Ceaca – https://capoeiraceaca.wordpress.com/