Como se ensina:

A tradição oral tem os seus métodos o acolhimento, a escuta, a transmissão, a troca, o sentir. Ela não morre, permanece no interior daquele que é tocado e ressoa num som ancestral nos ouvidos dos próximos…

 

 

Capoeira resistência ancestral

Anúncios

Memórias Juninas 2018: Ação e Participação!

No dia 23 de junho aconteceu a grande Festa Junina do Amorim Lima, uma das mais importantes festas do calendário da Escola e contou com a tradicional apresentação do CEACA que animou a festa.

A Festa Junina é uma das Ações Estratégicas PPP da Amorim Lima, que são pensadas para colocar em prática, os objetivos gerais e específicos do Projeto Político Pedagógico da Escola:

  1. Elevar o grau de compromisso por parte de todos na escola, que no âmbito do projeto significa conhecê-lo plenamente, identificar-se com ele, fazendo disso sua prática.
  2. Ampliar as experiências culturais para a transformação das relações entre os homens em sociedade.
  3. Desenvolver e implementar uma intencionalidade educativa que seja clara e compartilhada por todos.
  4. Reafirmar nas ações educativas, os valores de autonomia, solidariedade, democracia participativa e responsabilidade.
  5. Garantir diferentes instâncias de participação na vida da escola em consonância com as leis.
  6. Criar e organizar os espaços para o pleno desempenho do projeto.

O planejamento para a festa e tudo o que acontece para a sua execução antes, durante e depois do dia da Festa Junina são guiados por estes objetivos e, no conjunto, a realização na prática deles. Estudantes, famílias, mães, pais, professoras, professores, tutores, gestão, quadro de apoio, enfim toda a Comunidade Escolar se envolve nos trabalhos e funções para que a Festa Junina possa ser ao mesmo tempo aprendizado, diversão, integração e principalmente um espaço de Ação e Participação de todos.

São vários voluntários que se dedicam desde o começo do ano a organizar e preparar as prendas que são distribuídas na festa. Prendas produzidas com materiais reciclados, reaproveitados e feitos pelas crianças e suas famílias com o apoio da Comissão de Festas e Prendas.

O saber espiralado e a história de Mestre Alcides de Lima Tserewaptu

Este registro audiovisual foi realizado por ocasião da Apresentação de Dissertação de Mestrado de Roberta Navas Battistella, intitulada “O saber espiralado: a história de Mestre Alcides de Lima Tserewaptu e a proposta por uma produção partilhada do conhecimento”, sob a orientação do Prof. Dr. Sérgio Bairon Blanco Sant’Anna, ocorrida em 05/12/2017. O objetivo central do trabalho concentra-se no encontro entre as temáticas da história de vida e da produção partilhada do conhecimento, no sentido de compreender o saber que detém Mestre Alcides de Lima Tserewaptu e suas implicações com a expansão da cultura afro-brasileira de tradição oral. Relata a história de vida de Alcides de Lima, desde a sua condição de migrante de Minas Gerais em sua chegada ao município de São Paulo; até suas atividades atuais como membro da Comissão Nacional dos Mestres Griôs, reúne um rico conjunto de atividades e lutas voltadas ao reconhecimento da cultura oral como um saber que precisa ser legitimado pelo Estado brasileiro.

Ao longo desta trajetória, há uma construção de redes de saberes que abrigam a preservação da memória, o envolvimento com comunidades culturais afrodescendentes (Coroação de Reis Congo, o Jongo etc.), o ensino de capoeira e dos saberes orais no contexto escolar. A tradição vivida e constituída por Mestre Alcides no cotidiano transpõe os níveis institucionais do universo da educação e do ensino.

 

Fonte: http://www.snh2015.anpuh.org/resources/anais/39/1434414879_ARQUIVO_ARTIGO_Roberta_Navas_15_06_2015_FINAL.pdf

Coletivo feminino para tocar berimbau…tem que ter berimbau.

E as minas foram para cima… construir o seu próprio berimbau com as suas escolhas, com o seu axé e no seu tempo.

Tempo que a gente cria para desfrutar mais da vida, da música, do construir e das amizades. Agora, tempo gingado na cadência do berimbau.

Agradecendo especialmente ao Prof Tuca e Isla, da Casa de Zungu Capoeira Angola, pelo tempo de ensinar e compartilhar.

Berimbau mulher resistência ancestral.

Memórias Fórum Mundial Educação 2004

O Fórum Mundial de Educação, na mesma perspectiva do Fórum Social Mundial, sustenta-se em dois pilares básicos: a construção de uma alternativa ao projeto neoliberal e o pluralismo de ideias, métodos e concepções.

É um espaço plural, não confessional, não-governamental e não partidário, auto-gestionado, verdadeiramente mundial.
São Paulo celebrou 450 anos em 2004 com um grande Fórum Mundial da Educação Temático, de 1 a 4 de abril, no Anhembi, com o tema: “Educação cidadã para uma cidade educadora”, convergindo para a terceira edição do FME de Porto Alegre, de 28 a 31 de julho de 2004, com o tema: “A educação para um outro mundo possível: construindo uma plataforma de lutas”. 2004 foi um ano importante na luta pelo direito à educação.

CEACA participação no Fórum Mundial de Educação de São Paulo

Veja imagens do evento, ocorrido no Sambódromo do Anhembi, 03/04/2004.

 

Experiência educativa do Ceaca

Localizada na região do Butantã, em São Paulo, a Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Desembargador Amorim Lima possui um Plano Político Pedagógico diferente das demais escolas. Na formação teórica do dia 04 de maio de 2015, os/as jovens monitores/as do Programa Jovem Monitor/a Cultural (PJMC) não apenas conheceram a experiência educativa do local, como também vivenciaram algumas práticas de arte-educação baseadas nas culturas tradicional e popular.

No período da manhã, os/as jovens participaram de vivências de coco de roda, samba de roda, maculelê, ciranda e outras manifestações culturais ministradas pelos mestres Alcides de Lima, Durval do Coco e o professor Rodrigo Pança, integrantes do Centro de Estudos e Aplicação da Capoeira (CEACA).

Existente desde 1988, o CEACA é uma associação sem fins lucrativos que tem como missão preservar e promover as culturas tradicionais, em especial a capoeira. Desde abril de 2000 desenvolve oficinas junto aos/as alunos/as da EMEF Desembargador Amorim Lima. No local, atua como Ponto de Cultura “Amorim Rima/CEACA” desde 2005.

[A formação do dia] foi mais uma vivência pra vocês [jovens] sentirem no corpo como se dá essa relação da cultura tradicional com a escola”, explicou Rodrigo Pança antes das atividades começarem.

Rodrigo também conversou com os/as monitores/as sobre sua trajetória na capoeira. Oriundo da Favela do São Remo, ainda criança começou participar das oficinas de capoeira no projeto “Minha História” ministradas pelos mestres Alcides e Dorival. “A capoeira e o trabalho que os mestres [Alcides e Dorival] desenvolvem, e que eu de certa forma dou continuidade, transformou a minha vida no sentido de sair daquele mundo da minha comunidade, porque se você não se abrir, você acha que o mundo é aquilo que se vive lá”.