Coletivo feminino para tocar berimbau…tem que ter berimbau.

E as minas foram para cima… construir o seu próprio berimbau com as suas escolhas, com o seu axé e no seu tempo.

Tempo que a gente cria para desfrutar mais da vida, da música, do construir e das amizades. Agora, tempo gingado na cadência do berimbau.

Agradecendo especialmente ao Prof Tuca e Isla, da Casa de Zungu Capoeira Angola, pelo tempo de ensinar e compartilhar.

Berimbau mulher resistência ancestral.

Anúncios

Memórias Fórum Mundial Educação 2004

O Fórum Mundial de Educação, na mesma perspectiva do Fórum Social Mundial, sustenta-se em dois pilares básicos: a construção de uma alternativa ao projeto neoliberal e o pluralismo de ideias, métodos e concepções.

É um espaço plural, não confessional, não-governamental e não partidário, auto-gestionado, verdadeiramente mundial.
São Paulo celebrou 450 anos em 2004 com um grande Fórum Mundial da Educação Temático, de 1 a 4 de abril, no Anhembi, com o tema: “Educação cidadã para uma cidade educadora”, convergindo para a terceira edição do FME de Porto Alegre, de 28 a 31 de julho de 2004, com o tema: “A educação para um outro mundo possível: construindo uma plataforma de lutas”. 2004 foi um ano importante na luta pelo direito à educação.

CEACA participação no Fórum Mundial de Educação de São Paulo

Veja imagens do evento, ocorrido no Sambódromo do Anhembi, 03/04/2004.

 

Experiência educativa do Ceaca

Localizada na região do Butantã, em São Paulo, a Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Desembargador Amorim Lima possui um Plano Político Pedagógico diferente das demais escolas. Na formação teórica do dia 04 de maio de 2015, os/as jovens monitores/as do Programa Jovem Monitor/a Cultural (PJMC) não apenas conheceram a experiência educativa do local, como também vivenciaram algumas práticas de arte-educação baseadas nas culturas tradicional e popular.

No período da manhã, os/as jovens participaram de vivências de coco de roda, samba de roda, maculelê, ciranda e outras manifestações culturais ministradas pelos mestres Alcides de Lima, Durval do Coco e o professor Rodrigo Pança, integrantes do Centro de Estudos e Aplicação da Capoeira (CEACA).

Existente desde 1988, o CEACA é uma associação sem fins lucrativos que tem como missão preservar e promover as culturas tradicionais, em especial a capoeira. Desde abril de 2000 desenvolve oficinas junto aos/as alunos/as da EMEF Desembargador Amorim Lima. No local, atua como Ponto de Cultura “Amorim Rima/CEACA” desde 2005.

[A formação do dia] foi mais uma vivência pra vocês [jovens] sentirem no corpo como se dá essa relação da cultura tradicional com a escola”, explicou Rodrigo Pança antes das atividades começarem.

Rodrigo também conversou com os/as monitores/as sobre sua trajetória na capoeira. Oriundo da Favela do São Remo, ainda criança começou participar das oficinas de capoeira no projeto “Minha História” ministradas pelos mestres Alcides e Dorival. “A capoeira e o trabalho que os mestres [Alcides e Dorival] desenvolvem, e que eu de certa forma dou continuidade, transformou a minha vida no sentido de sair daquele mundo da minha comunidade, porque se você não se abrir, você acha que o mundo é aquilo que se vive lá”.

 

Lei Griô: esclarecimentos

Em Julho de 2009, a “Chama da Lei Griô” foi lançada em Salvador pela Rede Ação Griô e na Comissão nacional dos Griôs e Mestres durante o encontro Estadual de Pontos de Cultura da Bahia; foi realizada uma caminhada da Chama da Lei Griô em Campinas (na Nina Griô), São Paulo, em Brasília e em diversos cantos do Brasil. A Chama da Lei Griô foi acesa em diversas conferências municipais, territoriais e estaduais do Brasil que elegeram a minuta da Lei Griô como prioridade municipal e estadual. E em março de 2010, em Brasília-DF, a minuta da Lei Griô foi eleita prioridade da Política Nacional  na Conferência Nacional de Cultura que envolveu mais de 2000 pessoas em todo o Brasil.

Assista ao vídeo do Mestre Griô Alcides Tserewaptu, no qual ele explica a diferenças entre Lei Griô, Pedagogia Griô e Ação Griô.

Mestre Durval do Coco e a Pedagogia Griô: memória

Em 2013, o Curso Pedagogia Griô e Produção Partilhada do Conhecimento (USP) recebeu o Mestre Durval do CEACA. Após uma bela preparação e reverências aos Mestres da Cultura Oral, realizada por Rodrigo Pança, Márcio Caires e Lillian Pacheco, os participantes compreenderam que a cultura oral somente pode ser apreendida por meio de vivências orientadas pelos próprios Mestres Griôs. Fica aqui também nosso reconhecimento em relação à intermediação que a Pedagogia Griô realiza, como uma forma de vida que integra a tradição oral, a formação cidadã e a educação! A Pedagogia Griô foi desenvolvida pelo grupo “Grãos de Luz e Griô” (Lillian Pacheco e Marcio Caires), com a participação de Everaldo Cândido e Neander Heringer (Nina Griô), Henri Durand (Acervo das Tradições) e Mestre Alcides Lima (CEACA) e de todos os presentes!

Assista o Audiovisual publicado em 3 de abril de 2013 pelo CEDIPP – DIVERSITAS FFLCH – ECA / USP

 

 

Festa de Batizado CEACA, 2015: Memória

Paula Cristina Bernardo adicionou um novo vídeo, em 14 de dezembro de 2015 no facebook, que ora publicamos em nosso site.

Na roda de capoeira vemos Mestre Dorival jogando, que foi o seu primeiro padrinho de Capoeira. Registramos aqui o seu depoimento:

“Minha primeira queda, meu primeiro cordão. Vinte quatro anos depois olha ele aí… Muita honra em revê-los mestres Alcides de Lima, Mestre Dorival, Mestre Flavio Sargento Alabê Oliveira, Mestre Brasília, Mestre Kenura, Dinho Nascimento, Edison Luís dos Santos, Mario Costa, Pança, Paulo Almeida Baraúna, dona Maria e outros tantos camaradas. Muito prazer em assistir o batizado dessa nova geração de Capoeiras arrasando. Voltar às raízes é muito bom. Foi um domingo para relembrar os velhos tempos de CEACA, conhecer as novas gerações do Ceaca Butantã, matar saudades do meus mestres Alcides de Lima, Dorival, reencontrar velhos amigos. Foi um domingo de mestres. Parabéns aos formandos do Ceaca Butantã.”