Ceaca participa da abertura da Semana Municipal de Capoeira Embu das Artes

De 3 a 9 de agosto acontece a 1ª Semana Municipal de Capoeira Embu das Artes, uma iniciativa da Associação dos Capoeiristas de Embu das Artes (ACEA) e do Conselho Regional de Mestres de Capoeira (CRMC), contando com apoio da Prefeitura de Embu das Artes, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, e do Ponto de Cultura Diversidades Culturais na Capoeira. Em 15 de agosto de 2013, o prefeito Chico Brito assinou a Lei Ordinária 2.681, criando o Dia Municipal da Capoeira (3/8) e a Semana Municipal da Capoeira.

A primeira edição da Semana de Capoeira (já incluída no calendário de datas e eventos da cidade), contará com seminário, palestras, exposição, mostra cultural, oficinas e apresentações culturais, com participação de capoeiristas, diversos mestres de capoeira, instrumentistas, dançarinos. As atividades são abertas ao público e serão realizadas nos centros culturais Mestre Assis do Embu e Pirajuçara/EM Valdelice, na ACEA, na praça do Casa Branca e nas escolas municipais Valdelice, Reynaldo e Delphina.

Três membros do CEACA (Alcides, Valter e Edison) participaram, ontem (3/8, domingo), da abertura do evento. Mestre Alcides fez palestra sobre a capoeira, falou sobre a lei e ação Griôs. Em seguida, houve apresentação de vídeo e “Berimbalada”, com várias pessoas tocando berimbau nos diversos ritmos.

 

Programação

4/8, segunda-feira
Manhã e tarde – Capoeira nas Escolas e aula prática. Apresentação nas escolas municipais Reynaldo Ramos de S. da Gama (rua Narumi Nakayama, 100, Jardim Nossa Senhora de Fátima) e Antônia Augusta Delphina de Moraes (rua Ana Maria, 150, Jardim Santo Eduardo). Palestras do Mestre Joca e Professor Colher.

19 às 21h – Oficina de Maculelê – Puxada de Rede, com o Mestre Azambuja, mostrando diversidade da capoeira e danças folclóricas. Associação dos Capoeiristas (rua Madeira, 80, Jardim Novo Campo Limpo)

5/8, terça-feira
Manhã e tarde – Projeto Capoeira nas Escolas e aula prática. Palestras com Mestre Joca e Mestre Oró. Centro Cultural Parque Pirajuçara – EM Valdelice A. Medeiros Prass (av. Aimará, s/nº)

6/8, quarta-feira
18 às 21h – Apresentação do filme Capoeira Iluminada, seguida de Oficina de Dança Afro, com os professores Faísca e Gugu. Praça da EM Valdelice Prass (av. Aimará, s/nº)

7/8, quinta-feira
18 às 21h – Oficina Capoeira Angola, a mais primitiva e um dos três estilos da capoeira (os outros são regional e contemporânea), seguida de Roda de Capoeira – Dança do Coco, com os oficineiros Mestre Meinha e Cesinha. Centro Cultural Mestre Assis do Embu (largo 21 de Abril, 29)

8/8, sexta-feira
18 às 21h – Aulão de Capoeira e Roda, com Mestre Zai, Professor 7 Vidas e Mestrando Pererê. Oficina de Samba de Roda, com diversas danças e participação do público. Praça do Jardim Casa Branca

9/8, sábado
10 às 15h – Aulão e Roda e Capoeira – encerramento. Praça Manoel Almeida dos Santos/EM Valdelice Prass

A entrada é gratuita e a programação, aberta a todas as idades.

Anúncios

Mesa Redonda: Tradição Oral e Cultura Popular

Mesa Redonda: Tradição Oral e Cultura Popular.

Mestre Durval do Coco no Sarau AfroBase

No dia 02 de julho de 2014, Sr. Durval do Coco, Eliane do Coco e o pessoal do CEACA fizeram realmente a terra tremer na batida do coco. O Sarau contou, além do coco, com a presença do rapper Charles, do Rodrigo Pança, do Fofão, do pessoal do Treme Terra e outros… Uma noite de poesia e prosa, para guardar na memória.

Seu Durval do Coco sambando em todas … agora é no Sarau Afro Base !!!

Bora bater as canelas…

Seu Durval do Coco no Sarau AfroBase

Autorizado.

 

Diálogos contemporâneos: produção partilhada de conhecimento

Mostra de Greve na USP
Exibições e debates: Prédio de História e Geografia

A mostra de greve pretende ser um espaço em que as três categorias se reúnam para, a partir de filmes, refletir sobre problemáticas sociais brasileiras contemporâneas, e a partir destas, a própria greve.

02/06 (segunda-feira) 17h | Abertura: Qual greve queremos?

Filme. Peões. Dir. Eduardo Coutinho. 2004. 85’. Brasil.

Sinopse: A história pessoal de trabalhadores da indústria metalúrgica do ABC paulista que tomaram parte no movimento grevista de 1979 e 1980, mas permaneceram em relativo anonimato. Eles falam de suas origens, de sua participação no movimento e dos caminhos que suas vidas trilharam desde então. Exibem souvenirs das greves, recordam os sofrimentos e recompensas do trabalho nas fábricas, comentam o efeito da militância política no âmbito familiar, dão sua visão pessoal de Lula e dos rumos do país.

Debate: Jorge Luís Souto Maior (Docente Direito/USP) | Waldemar Rossi (Pastoral Operária de São Paulo)

 

03/06 (terça-feira) 14h | Violência e memória nas periferias de São Paulo

 

Filme. Mataram meu irmão. Dir. Cristiano Burlan. 2013. 77’. Brasil.

Sinopse: Doze anos atrás, Rafael Burlan, o irmão do diretor Cristiano Burlan, foi assassinado com sete tiros. O cineasta decide relembrar os fatos, investigando o envolvimento do irmão com as drogas e compondo um retrato da violência que domina os bairros do subúrbio de São Paulo.

Debate: Prof. Luiz Guilherme Galeão da Silva (Diversitas/USP) | Representante do Movimento Mães de Maio

 

05/06 (quinta-feira) 14h | Imigrantes, refugiados, clandestinos, trabalhadores: (auto)biografias

 

Filme 1. Costurando sonhos: a presença boliviana em São PauloDir. Eder Marques Loiola, Livia Almendary, Maurício Rodrigues Pinto, Raquel Piñas e Juliana Agnes Luizetto. 2007. 15’. Brasil.

Sinopse: Estima-se que a comunidade de bolivianos na cidade de São Paulo seja de 200 mil pessoas. Em sua maioria, consideram as condições de vida no Brasil melhores do que em seu país de origem. Muitos, no entanto, por não terem documentos e não falarem português, são explorados por donos de oficinas de costura, em condições análogas à escravidão. É comum vê-los procurando serviço nas ruas do Bom Retiro. Mas é comum também encontrá-los reunidos, aos sábados e domingos, em feiras e eventos da comunidade boliviana, com música, comidas e danças típicas. Costurando Sonhos mostra um pouco dessa pequena Bolívia em São Paulo e revela, a partir de depoimentos e entrevistas, as dificuldades de adaptação desses imigrantes em um novo contexto sociocultural.

Filme 2. Imigrantes e refugiados em São Paulo: A Casa do MigranteDir. Geral: Lucas Rached. 2010. 17’53. Brasil.

Sinopse: Imigrantes e refugiados acolhidos pela Casa do Migrante contam suas histórias, em um filme pensado e captado por eles mesmos.

Debate: Paolo Parise (Centro de Estudos Migratórios) | Prof. Heinz Dieter Heidemann (Depto. Geografia/USP)

 

09/06 (segunda-feira) 14h | (Des)caminhos das práticas educacionais

 

Filme. Vocacional: uma aventura humana Dir. Toni Venturi. 2011. 78’. Brasil.

Sinopse: O cineasta Toni Venturi revisita uma página emocionante e pouco conhecida da história da educação pública no Brasil: os colégios VOCACIONAIS, do estado de São Paulo, que na década de 60 foram reprimidos pela ditadura militar. Concebidos por Maria Nilde Mascellani, uma das mais importantes pedagogas contemporâneas, tinham uma proposta à frente de seu tempo: fazer o aluno pensar, trabalhar em grupo e desenvolver a sensibilidade artística e habilidades técnicas. Partindo do olhar pessoal do diretor, que participou desta experiência escolar, através do depoimento de vários ex-alunos e professores, o longa permite uma reflexão sobre os descaminhos a que o regime autoritário conduziu a educação no país. Ao olhar criticamente para o passado, o filme contribui para a compreensão da precariedade do ensino público atual e seus desafios para o futuro.

Debatedores: Lucinéia Almeida (funcionária FFLCH/USP) | Profa. Zilda Iokoi (Diversitas/USP)

 

11/06 (quarta-feira) 14h | Universidade além dos muros

 

Filme. Produção partilhada do conhecimento Dir. Universidade e Aldeia. 2013. 78’. Brasil.

Sinopse: Cinquenta indígenas de doze aldeias diferentes, partilham na aldeia de Sangradouro (MT) a produção do conhecimento com pesquisadores, e contam, através de curtas-metragens, suas versões de temas como Diabetes, Meio Ambiente, Jarudori, Alcoolismo, Museu e Memória.

Debate: Mestre Alcides (Mestre Griô)

Sérgio Bairon (Diversitas/USP)

Repetição do filme às 19h (sem debate)

MOSTRA DE GREVE Diálogos contemporâneos: produção partilhada de conhecimento -  Exibições e debates Prédio de História e Geografia

MOSTRA DE GREVE Diálogos contemporâneos: produção partilhada de conhecimento –
Exibições e debates
Prédio de História e Geografia

Mestre Durval participa da produção partilhada de saberes da tradição oral

O Curso Pedagogia Griô e Produção Partilhada do Conhecimento (USP) recebeu o Mestre Durval do CEACA. Após uma bela preparação e reverências aos Mestres da Cultura Oral, realizada por Rodrigo Pança, Márcio Caires e Lillian Pacheco, os participantes compreenderam que a cultura oral somente pode ser apreendida por meio de vivências orientadas pelos próprios Mestres Griôs. Fica aqui também nosso reconhecimento em relação à intermediação que a Pedagogia Griô realiza,como uma forma de vida que integra a tradição oral, a formação cidadã e a educação! A Pedagogia Griô foi desenvolvida pelo Grãos de Luz e Griô (Lillian Pacheco e Marcio Caires), com a participação de Everaldo Cândido e Neander Heringer (Nina Griô), Henri Durand e Mestre Alcides de Lima (CEACA) e de todos os presentes!

 

O CEDIPP (Centro de Comunicação Digital e Pesquisa Partilhada) tem por objetivos propor a PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO EM HIPERMÍDIA que investiga a relação entre a linguagem hipermídia e a produção do conhecimento científico; e a PRODUÇÃO PARTILHADA DO CONHECIMENTO, iniciativa interdisciplinar de investigadores e professores universitários brasileiros e estrangeiros, que pesquisam em parceria com comunidades afrodescendentes, indígenas e urbanas.

Teia da Diversidade receberá em Natal (RN) Pontos de Cultura de todo o Brasil

Sobre a Teia da Diversidade

A Teia é o encontro dos Pontos de Cultura do Cultura Viva e das representações da Diversidade que integram o Brasil Plural. Em sintonia com as estratégias e diretrizes gerais do Plano Nacional de Cultura, a Teia Nacional da Diversidade 2014 inaugurará um espaço para encontro, reconhecimento, convivência, reflexão, formação e divulgação de temas prioritários de grupos, coletivos, comunidades, Pontos de Cultura e iniciativas que integram os Programas Cultura Viva e Brasil Plural.

A TEIA da Diversidade tem o objetivo de consolidar o Programa Nacional de Promoção da Cidadania e da Diversidade Cultural – Cultura Viva (PCV) como o programa de base comunitária do Sistema Nacional de Cultura. Também é um espaço que se propõe a refletir criticamente sobre: a  proposta de realinhamento do novo PCV para um programa de base comunitária, a partir da Portaria 118 de 30 de dezembro de 2013; O processo de integração de programas, projetos e ações do Sistema MinC ao Cultura Viva; E sobre as contribuições da TEIA 2014 para o desenvolvimento do Programa.

Em 2014, além dos Pontos e Pontões de Cultura a TEIA incorpora ao seu público estruturante os grupos do Encontro da Diversidade, que agrega segmentos das políticas setoriais atendidos pelo Programa Brasil Plural. Fazem parte destes segmentos grupos de Culturas Populares, Culturas Indígenas, Culturas Ciganas, LGBT, Crianças, Idosos, Juventude, Hip-Hop, Pessoas com Deficiência, Saúde Mental, Trabalhadores Urbanos, Povos de Terreiro, Quilombolas, Imigrantes, Mulheres, Trabalhadores Rurais, Mestres e Griôs.

As atividades da Teia Nacional da Diversidade 2014 incluem as TEIAS estaduais, encontros para preparação e envolvimento da sociedade civil participante. No âmbito nacional, foram realizadas quatro edições do encontro: Teia 2006 – Venha Se Ver e Ser Visto, São Paulo (SP), Teia 2007 – Tudo de Todos, Belo Horizonte (MG), TEIA 2008 – Iguais na Diferença, Brasília (DF), e TEIA 2010: Tambores Digitais, Fortaleza (CE).

Diálogos interculturais na Teia da diversidade acontecem em Natal-RN, 19 a 24 de Maio 2014.

Diálogos interculturais na Teia da diversidade acontecem em Natal-RN, 19 a 24 de Maio 2014.

 

Programação

Na TEIA da Diversidade, a cultura brasileira se manifesta em mostras artísticas – shows, espetáculos de todo tipo, performances – e nos diálogos proporcionados  por seminários, palestras, minicursos, fóruns, exposições, debates, rodas de conversa, intercâmbios e intervenções urbanas.

Clique aqui para fazer o download da programação parcial, atualizada em 2 de maio de 2014.