Com a Palavra: Mestre Alcides de Lima

A tradição oral é a grande escola da vida e dela recupera e relaciona todos os aspectos. Pode parecer caótica àqueles que não lhe descortinam o segredo e desorientar a mentalidade cartesiana acostumada a separar tudo em categorias bem definidas. (…) Ela é ao mesmo tempo religião, conhecimento, ciência natural, iniciação à arte, história, divertimento e recreação, uma vez que todo pormenor sempre nos permite remontar à Unidade primordial.

(BÂ, Amadou Hampâté. A tradição viva. In: KI-ZERBO, J. (Coord.) História geral da África, Vol. I. São Paulo: Ática-Unesco, 1982, p. 183) Disponível em: http://www.casadasafricas.org.br/.

É com muita alegria que vimos compartilhar com todos os admiradores e praticantes das culturas populares tradicionais este trabalho, que vem sendo desenvolvido deste 1988, com a fundação do Centro de Estudos e Aplicação da Capoeira – CEACA, na USP. Naquela data este trabalho foi mais direcionado para o início de uma `simbiose`, que compartilhou as culturas de raíz com a Educação formal.

 

O intuito do CEACA sempre foi criar um centro de estudos para pesquisas, e com essas pesquisas viria a transformação da reflexão em ações temáticas e orgânicas, e dentro desta organicidade foram pesquisados temas, e tais temas foram transformados em produtos culturais, como peças teatrais, músicas, vídeos, e agora textos de reflexão.

Lembro-me que dentre as peças que realizamos tivemos “A comemoração de 300 anos da morte de Zumbi dos Palmares”, a “Homenagem à memória de Besouro Mangangá”, também fizemos uma encenação que trazia à tona a questão dos 4 elementos da natureza: terra, fogo, água e ar”, e esta peça foi tema de defesa de uma dissertação da Faculdade de Educação da USP com temática afins do tema abordado. Mais recentemente, tivemos o Canto de Trabalho “Vissungo”, “Ondas Verdes” de Monteiro Lobato, e Navio Negreiro de Castro Alves, dentre outros. Para cada evento deste, lembro-me que produzíamos uma trilha sonora com a autoria do grupo; com produções de vídeos e registros.

 

Devido a seriedade do trabalho, fomos convidados a desenvolver oficinas e workshops no exterior, estivemos nos EUA, na Universidade Estadual do Colorado 1995-1999, departamentos de danca, música e antropologia, além de escolas de educação formal de ensino fundamental e médio; estivemos também em Bordeaux na Franca; San Juan e Luquillo, em Puerto Rico e nas cidades de Temuco, Valdivia e Vila Rica no Chile.

A partir de 2005, com as parcerias do Ponto de Cultura do MinC/Secretaria de Cultura do Estado de Sao Paulo, potencializou-se parte de nossas ações; foram trabalhados a formação de agentes de cultura, participamos da Ação Griô Nacional, da Lei Griô, da Universidade Griô, compusemos a Comissão Nacional de Mestres e participamos de Fóruns de Culturas Populares e Tradicionais.

Junto a tudo isso, é muito importante mencionar, que existe no CEACA uma equipe que se doa ao trabalho, que possui uma voluntariedade imensa em prol da cultura popular, e podemos considerar que a maior parceria é a força de vontade desta equipe, sempre em trabalho compartilhado.

Um grande exemplo disso foi a realização do livro LIMA, Alcides de. (Org.) Capoeira & Educação: coletânea de estudos e práticas. São Paulo: CEACA, 2013, feito com a colaboração de todos, que de alguma forma fazem parte da família CEACA, ou conhecem o nosso trabalho; há também nesta edição, um resumo dos principais trabalhos do Ponto de Cultura.
Vale lembrar que a intenção desta obra é compartilhar com todos um pouco da trajetória de trabalho do CEACA, dando vazão para que essas vozes se expressem na reflexão sobre as culturas populares e tradicionais.

A partir de agora, iniciamos uma fase de inovação social do CEACA com a criação de nossa interface digital na plataforma wordpress, conectada às principais redes sociais, visando às trocas e diálogos interculturais com outros lugares de memória e de cultura do Brasil e do Mundo!

Sejam todo(a)s bem-vindo(a)s ao siteblog da família CEACA – https://capoeiraceaca.wordpress.com

Roda de Capoeira no Amorim Rima, com Mestre Alcides, Tserewaptu (‘O sonhador, o veloz’, em língua Xavante)

Desde 1990, o projeto Expresse-se com Consciência: Faça Capoeira, vem sendo desenvolvido por Mestre Alcides de Lima e Mestre Dorival no CEACA.

Desde 1990, o projeto Expresse-se com Consciência: Faça Capoeira vem sendo desenvolvido por Mestre Alcides de Lima e Mestre Dorival no CEACA.

Anúncios

2 comentários sobre “Com a Palavra: Mestre Alcides de Lima

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s